Ciência Unitária do Intra Universo
 

 

Um livro para compreender a vida e preparar a vida em outras dimensões

Transmitida à partir de uma comunicação interdimensional, a Ciência unitária publicada em 144 capitulos e centenas de perguntas e respostas, traz um conhecimento através do estudo da arquitetura das tramas intemporais que regem o universo em suas múltiplas dimensões temporal, espacial e material.
A descoberta do Intra Universo traz a compreensão das tramas que regem o universo,
permitindo encontrar as chaves de sua verdadeira identidade.
É possível então passar de uma vida cotidiana, à uma realidade cósmica transcendente.
O ser humano, viajante do cosmos, pode assim comunicar com outras civilizações e outras consciências existindo no universo,
e se tornar um ser de totalidade, ao mesmo tempo planetário, galáctico e unitário.

A linguagem utilizada exige que a consciência de vigília se sensibilize aos ritmos e funcionamentos de uma supraconsciência. Os contatos interdimensionais são a comunicação entre o ser humano e as dimensões supraterrestres presentes em todas as tradições.
Essa obra é editada progressivamente e traduzida em várias línguas.

Os contatos interdimensionais são a comunicação entre o ser humano e as dimensões supraterrestres presentes desde sempre através de todos os tempos.

UnitaryScience


Capítulos de 1 a 10

Índice
Perguntas/Respostas
PREFÁCIO:


PREFÁCIO
Uma aventura da consciência
Arquitetura interdimensional
Ciência e consciência
Uma linguagem de ressonância
A conquista de um pioneiro
CAPÍTULO 1: OPERAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA UNITÁRIA
Menu
I. I Constituição, ritmo, controle de transferências
1. Razões que impedem o contato entre a numeração interna e o ser de síntese
2. Gestão da existência em função da transferência
3. Desaparecimento de elementos dispersivos
4. Equilíbrio do ser e velocidade de transferência
5. Ritmo de transferência e círculos da unidade
6. Mutação de interioridade luminosa e controle de síntese

II Conselho 6 - Os vivos e os mortos
1. Os vivos e os mortos
2. Órgão de transferência sumeriana e soldagem de síntese

III Controle de interioridade
1. Necessidade do controle e valor energético unitário
2. Controle de interioridade
3. Confederação sumeriana, desconexão e reunificação

IV Reinserção unitária interna
1. Poder de reinserção
2. Forças primitivas e flutuações exteriores
3. Continuidade da consciência-energia e descontinuidade da forma
4. Continuidade imortal e reestruturação substancial
5. Impregnação vibral e aura de luz.

CAPÍTULO 2: A NOVA ALIANÇA, UMA CORRELAÇÃO DE TOTALIDADE

I Origem das transmissões telepáticas
1. Da consciência a potência: diferentes tipos de mensagens
2. Seleção de energias concernentes ao sinal de numeração unitária interna

II Condições de comunicação interior e de síntese sumeriana
1. Condições de intervenção da numeração unitária interna
2. Sumeriana essência

III Numeração unitária interna, numeração externa e sistemas imperiosos
1. Informações provenientes de figuras de potência - Sistema de exterioridade B 4
2. Código de numeração sincronizada e numeração imperiosa
3. O amor, um programa de emergência rumo ao êxtase
4. Manter o contato com o sistema de potência e delimitá-lo
5. Os humanos, vetores de transferência
6. Correlação entre os planos humanos e infra-humanos e assinatura de totalidade
7. Delimitação e mestria da exterioridade e da inferioridade

IV Transferências interdimensionais e assinatura de unificação
1. Normalização das operações de transferência
2. Controle dos levantamentos de energia 04 e 06
3. Núcleo energético e nave de emergência imperiosa
4. Aliança de interiorização
5. Sistema de sincronização sumeriana
6. Correlação unitária e gordagem de numeração
7. Unidade internel e contratos de exterioridade
8. Repatriação interna e tentações de exterioridade
9. Dureza, obstáculo a exteriorização - B 4 imperioso
10. A relembrança
11. Descida aos infernos e contratos de interiorização
12. Contrato de imperiosa figura
13. Conselhos de luminosidade exterior e formal inferior
14. Reajustamento do sinal de mutante imperioso e iluminação
15. Configuração de um ser em transferência interior completa
16. Corpos luminosos
17. 07 e contratos de numeração sincronizada

CAPÍTULO 3: CONSCIÊNCIA INTERNA E MUNDOS DA FORMA

I Consciência, energia interna, luz e plano das formas
1. Luminosidade e continuidade entre o interior e o inferior ou o exterior
2. Despertar de figuras unitárias internas
3. A salvação de almas
4. Zonas de compressão energética e bolsas de energia-luz
5. Círculo exterior e potência dividida
6. Assinatura de síntese sumeriana
7. Consciência eternel e numeração internel
8. Correlação numeral sintética e formalização
9. Reajustamento de potentes da forma
10. Transferência de luz integrável

II Encarnação: programação, contrato de interiorização
1. Corpo de numeração e contato sumeriano
2. Controle e círculo da unidade interna
3. Figuras de reinserção e antena de numeração
4. Eleitos: corpos de numeração previstos em linha direta
5. Contratos de interiorização
6. Comunicações de numeração unitária interna
7. Mensagens de síntese: recepção e operatividade

CAPÍTULO 4: CIÊNCIA SUMERIANA UNITÁRIA

I Unificação e retorno
1. Círculos de numeração e órgão de transferência
2. Exteriorização de seres insuficientemente codados
3. Consagração e contrato de numeração interna
4. Cruessência sincronizada e corpo da unidade
5. Contratos de emissor e planetas numerados
6. Criaturas parciais e força de emissor inferior
7. Matéria e reinserção unitária
8. Matéria de emissor interior e controle externo
9. Porção e sistema ber
10. Contrato de interiorização e juízo final
11. Integração na síntese unitária internel

II Contratos de numeração sumeriana
1. Redes e motores de interioridade
2. Droga e destruição energética
3. Milagres e corpos de sumeriana essência
4. Orpere: reintegração no campo do Pai
5. Racionamento de energia e redução das assinaturas de forma
6. Irmãos e irmãs de luz
7. Consagração, guarda-costas e sortilégios de emissores
8. Transferências de numeração e paroxismo
9. Dispuração, mudança de numeração e ciência sumeriana
10. Complementaridade homem-mulher e sincronização sumeriana

CAPÍTULO 5: REAJUSTAMENTO NUMERAL
Menu
I Transferências de potência
1. Luzes de emergência sumeriana e contratos de relevantamento
2. Codificação dos pais de U e numeração interior
3. Formal interior e contrato de imperiosa figura
4. Redes de imperiosa figura
5. Contrato sintético sumeriano: o profeta
6. Códigos de numeração - Luz 18

II Operação de transferência - Código sintético
1. Escolha de seu nível de transferência
2. Tempo de numeração
3. Intemporal, tempo, espaço e círculo 2
4. Emissores sincronizados e continuidade de cordificação sumeriana
5. Corpo de síntese e infinito
6. Reinserção sumeriana do veículo físico
7. Nave mecaniana e motor de transferência exterior
8. Reagrupamentos operacionais e corpos de numeração sincronizada
9. Encontros entre os seres e coordenação de numeração
10. Corpo de vida e círculo da unidade futura
11. Grupo energético coordenado e qualidade da numeração de sincronização
12. Assinatura de emergência exterior

CAPÍTULO 6: REINSERÇÃO SUMERIANA DIRETA

I Codificação de numeração interna-externa
1. Numeração sintética unitária e numeração de sincronização
2. Codificador de interioridade e sistema de exterioridade
3. Juramento, codificação de numeração unitária interna
4. Morganes e sistemas sincronizados
5. Porta estreita: numeração unitária interna
6. Sistemas de massa quantitativos e veladores
7. Exteriorização, inferiorização e reinserção unitária
8. Dificuldade do traçado de exteriorização, risco de não-retorno

II Reinserção em zona de transferência unitária interna
1. Ordem e limite
2. Reinserção sumeriana e codagem de numeração sincronizada direta
3. Seten numeral assinado, condição de uma comunicação telepática permanente
4. Simeriano, sumeriano, semeriano e codificação de interioridade
5. Contrato sintético e codificação internel, eternel, externel e seternel

CAPÍTULO 7: ENQUADRAMENTO DE NUMERAÇÃO UNITÁRIA INTERNEL

I Programa de interiorização e enquadramento de numeração
1. Códigos de numeração sumeriana
2. Signatário de transferência e sistema de emissor 5
3. Sistema de emissor inferior e exterior
4. Traçado em zonas seternel, externel, eternel e internel
5. Perigo de desenquadramento e de amarras materiais -"Crescei e multiplicai-vos"
6. Um exemplo de operatividade de exterioridade

II Operação de desenquadramento - Reconstrução de um controle exterior
1. Derivador formalizado e controle de numeração exterior
2. Revisões de luz e sustentação material

III Criação de uma plataforma de numeração unitária internel
1. Exteriorização e queda rumo ao inferior
2. Reunião de numerações ajustadas a uma assinatura de transferência numeral interna
3. Controles robóticos mecanianos, metalianos e continuidade de síntese

CAPÍTULO 8: FIRMA DE SÍNTESIS SUMERIA

I Sistema de emissor sumeriano e contato de síntese
1. Corda de síntese da ordem sumeriana
2. Comunicação de outras dimensões com a Terra
3. Abertura a uma assinatura de síntese sumeriana completa
4. Figura de assinatura externel
5. Seccionador de mutante
6. Órgão de transferência interior e exterior
7. Motores 56-57-58 e reunificação de numeração sintética
8. Corpos de transferência e mecanizador energético 83
9. Tecedura de numeração sintética e transferência direta

II Processo de numeração sobre uma antena de síntese
1. Integração do órgão de transferência dentro de um circuito de conselho - Construção de ressoadores
2. Metalização de um sistema de numeração exterior
3. Princípios de numeração sumeriana
4. Comunicação assinada com sistemas energéticos sublimados
5. Corpo formal e corpo sutil

III Reajustamento da assinatura de numeração desde o nascimento
1. Ressoldagem sobre uma antena de síntese sumeriana
2. Sincronização luz e iluminação
3. Ascensão sumeriana
4. Nave miltar
5. Normalização de potência final
6. Rosas de luz: mães celestes
7. Síntese da assinatura de metalização e órgão de normalização
8. Contrato de emergência sintética

CAPÍTULO 9: NUMERAÇÃO UNITÁRIA INTERNA


I Contrato de numeração sintética
1. Contrato de emergência sumeriana
2. Fiabilidade da numeração sintética
3. Coordenador de emergência e assinatura de síntese
4. Juízo final

II Contratos de energia e contratos de emergência
1. Órgão de transferência interior e contrato de energia
2. Condições para se aproximar de uma assinatura da unidade
3. Contratos de emergência sumeriana, submeriano e limite de interioridade
4. Corpos de homens e corpos de mulheres
5. Órgão de numeração exterior
6. Contrato de emergência assinado e sistemas metalianos
7. Sistema metaliano, círculos de mutantes e prótese de potência
8. Estabilizar os motores de inversão efervescente

III Junção entre a síntese unitária e a potência fenomenológica
1. Conselho da ordem - Força mutante e força descendente
2. Reféns de mecanização inferior
3. Deriva de um sistema por causa de amarras de potências
4. Codificação da unidade interna e condições de retorno de seres que derivaram
5. Contato com os sintéticos e encarnação de um novo sistema sumeriano

CAPÍTULO 10: MESTRIA IMPERIOSA E SISTEMAS DE DISTORÇÃO

I Transferências de emergência e distorções de potência
1. Codagens de emissor: mental concreto e mental superior
2. Controle de sistemas de emergência
3. Códigos de emergência e círculos de numeração dispersivos

II Altruísmo e assinatura de síntese profética
1. Linha de numeração sintética
2. Causas de distorção de um sistema de emergência
3. Comunicação de interioridade
4. Assinatura de síntese profética - Altruísmo e caridade
5. Escolher seu nível de altruísmo
6. Sistemas altruísta e individualista
7. Desperdício de emergência e redução do sistema sutil

III Beleza, bondade, verdade exteriores ou superiores
1. Reflexos exteriores de uma dimensão superior de beleza, bondade, verdade
2. Beleza exterior egoica ou interior altruísta
3. Fascinação ou mestria da linha de brilhantismo
4. Poder de recompressão da energia sintética e perigo de amarra exterior
5. Canalização do raio de brilhantismo
6. Mestria de zonas de condensação e formalização
IV Reservas de energia imperiosa e reequilíbrio
1. Reservas de energia nos planos de imperiosa figura
2. Reequilíbrio de sistemas de emergência em zona de síntese unitária

Capítulos de 11 a 20


CAPÍTULO 11: TRANSUBSTANCIAÇÃO E CÍRCULOS DE NUMERAÇÃO
I Contrato de numeração sintética
1. Percepção interior direta ou influências exteriores
2. Correlação numeral e sistema de síntese
3. Soldagem de emergência e círculo de numeração
4. Níveis de numeração mecanianos, metalianos

II Sistema 56-57-58
1. Sistemas 5, 6 e 56
2. Sistemas 8 e 58 - Zona 7 e sistema 57
3. Transferização numeral 56, 57, 58
4. Correlação numeral 56- 57-58
5. Tensão da rede de numeração unitária
6. Quadros de numeração e zona 57
7. Sistema 58: emergência fora do infinito
8. Ritmos energéticos internos
9. Intermediário de transferência emissor
10. Assinatura do meio ambiente energético56-57-58
11. Sistema de reinserção numeral internel e zona intermediária externel

III Transubstanciação e visão profética
1. Relações entre sistemas yin e yang
2. Conquista da imortalidade e sistema de transferência tipo numeral 1
3. Síntese material espaço-temporal
4. Difração do princípio em leis e em fatos
5. Diluição no tempo, expansão no espaço e absorção na matéria
6. Gestão consciente da visão de numeração sintética unitária intemporal
7. Organizar sua existência formal em função da visão do princípio
8. Corpos de normalização imperiosa e corpo de emissor interior

CAPÍTULO 12: CONTROLE DE POTÊNCIA Menu
I Exteriorização e amarras de potência
1. Exteriorização, desconexão e coordenação de numeração sintética
2. Desconexão e freagem de contratos de emergência em português frenagem

II Confrontações de potências e transmutação
1. Portas de potência, confrontações e guerras
2. Pacificação de confrontações por comunicação extrema-suprema
3. Comunicação de síntese rumo ao Pai Supremo
4. Órgão de vida de um campo unificado

III Integração de sistemas exteriores com forte impulso sobre uma antena de numeração
1. Chegada de assinaturas exteriores e proteção do sistema de emergência sumeriana
2. Contratos de interioridade invertidos e assinatura de síntese sobre várias dimensões
3. Normalização de um sistema de emergência e instalação de Controles
4. Impulsos de energia, compressão e arrimo
5. Controle de integrações em uma antena de numeração interna
6. Normalização de sistemas de exterioridade e gestão de redes de emergência
7. Mensageiros da figura futura - Coordenação de lorses
8. Cruz-do-Sul, analise de um sistema em funcionamento
9. Complexidade das operações no universo

CAPÍTULO 13: PREPARAR SUA IMORTALIDADE
I Contrato de imortalidade
1. Visão interdimensional do ser imortal
2. Sistema de emissor Rei do Sul
3. Importância da coordenação e de ajuste entre os seres
4. Risco de deriva exterior

II Criação do veículo de imortalidade
1. Ressonância com um controlador da unidade
2. Rosas de emergência e luas sutis
3. Normalização e formalização
4. Mutação de energias de potência e paroxismos
5. Reconectar o normalizador ao numerador de interioridade
6. Existência num contexto sublímico e corpo de mutante
7. Numeradores coordenados e sistema norte-sul
8. Sistema de interioridade numerado
9. Tempo ajustado para ter êxito em seu programa de numeração - Contrato de interioridade
10. Preparar sua imortalidade

III Sistemas de Controle
1. Controladora figura
2. Operação de elevação em quatro andares
3. Transformação do sistema de exterioridade - Correlação robótica
4. Assinatura de frenagem por baixo e Controle da unidade interna
5. Encarnação de um sistema de numeração de síntese

CAPÍTULO 14: ELEVAÇÃO E MUTAÇÃO UNITÁRIA
Menu
I Processo de reajustamento ao sinal de sumeriana essência
1. Deslocamento ou mudança de assinaturas não integráveis
2. Problemas de investidura - Controle por dimensões superiores
3. Prece ativa
4. Interesse de um grupo em sistema de unificação sintética

II Programa de emergência
1. Círculos de potência
2. Circuitos de Jeremias
3. Repartição de campos de potência
4. Transformação violenta do contrato de emergência
5. Bloqueio de energia e participação ativa da transferência
6. Razões interdimensionais de deformações físicas
7. Transformação de diversos seres em ressonância
8. Desconexão do sistema de forma
9. Mundos material, espacial, temporal e intemporal -Ritmos de evolução

III Ressonância completa, mutante unitário
1. Mestria de exteriorizações - Mestres de numeração interior
2. Mutante de construção inferior ou exterior - Transferência de imperiosa figura
3. Figuras e assinatura de contrato
4. Conjunção entre mutantes superior e inferior
5. Ressoador do mutante unitário
6. Mutante temporal, mutante espacial

CAPÍTULO 15: CRIAÇÃO DE UN CRISTAL DE NUMERAÇÃO INTERNA
I Encarnação de um sistema unitário
1. Programa de sincronização sumeriana
2. Correlação mecaniana externa iniciática
3. Ampère energético e enmer
4. Consagração de um sistema de transferência sumeriana
5. Predominância do sistema de síntese sobre o corpo de forma
6. Sinais de emergência
7. Numerações sintética, interna e externa
8. Investigação e sistema cronometrado

II Dispersão e reintegração de circuitos exteriorizados
1. Exteriorização e Controle de interioridade
2. Coordenações sumerianas
3. Figuras de dispersão, exteriorizações, tensões e perdas de metalização
4. Dificuldade de Controle em zona dispersiva
5. Impulso de potência e derivação exterior
6. Unificação de figuras de numeração suter 18
7. Codificador 925 e sistema 625 - Porta estreita do eternel ao internel - Sorkan 35

III Campos exteriores de brilhantismo e cristal de numeração interna
1. Mutante de interioridade - Derivação de uma parte de potências
2. Controle piramidal de um sinal de emergência
3. Cristal interno e campo de brilhantismo
4. Cristalização: unificação até a matéria
5. Zonas internel, eternel, seternel de um cristal de numeração
6. Criação de um cristal

CAPÍTULO 16: PROCESSO DE NUMERAÇÃO SINTÉTICA UNITÁRIA


I Correlação numeral sincronizada espaço-tempo-intemporal
1. Reparação de disjunções de um corpo de numeração
2. Reunião de uma porção de espaço-tempo - Transferências de numeração sintética
3. Criação de uma configuração sintética - Contrato X 13
4. Elergia sumeriana

II Processo de emergência - Numeração sintética sumeriana
1. Codificação sumeriana direta
2. Coordenação de sincronização e ressonâncias sumerianas
3. Mortalização, smorticus e mortal 18 e ciclologia de emergência
4. Configuração sintética e transferência direta
5. Programa de numeração sincronizada tipo normalizada sintética

CAPÍTULO 17: REDES DE EMERGÊNCIA
Menu

I Controle de sistemas de interioridade sobre circuitos de emergência
1. Limitação de contratos de emergência -Código de interioridade
2. Conselhos da ordem de força - Terminal de luz
3. Corpo de mutantes - Passado e futuro
4. Código de emergência sintética, contratos extremos
5. Carga de emergência, compressão e dor de cabeça
6. Camadas de Controle -Figuras de repulsão

II Numeração de remanence
1. Reajustamento de numeração sintética -Órgão de interioridade
2. Deriva do coordenador de interioridade

III Redes de emergência
1. Impulso de emergência e distribuição de energia
2. Codificação de síntese sumeriana - Cadeias de numeração
3. Sistema de emergência sintética em transferência sumeriana progressiva - Sistema 6
4. Afastamentos energéticos e coordenador intergaláctico
5. Emergência do sistema de numeração interna e reencontro numeral
6. Metralização: mestria de circuitos exteriores
7. Centralização imperioso e extensão do sistema 6
8. Sistemas C6 e B6 e corrente de indivíduos em correlação individual intemporal

CAPÍTULO 18: ÓRGÃO DE NUMERAÇÃO DO HOMEM E DA MULHER
I Correlação sumeriana
1. Retorno do eternel rumo ao interior
2. O Homem e a mulher, simbolismo do paraíso
3. O Homem, integrador de energia - Numeração de emergência controlada
4. Seletividade do numerador de imperiosa figura
5. Aceleração da assinatura feminina

II Operação de numeração de interioridade
1. Fluidificação de sistemas de emergência
2. Seleção de sistemas integráveis e explosão de sistemas de condensação
3. Numeração de interioridade e integração do sistema de exterioridade
4. Configuração de um sistema de numeração interna e codificação
5. Fortalecimento de contratos de emergência por sistemas metalianos

CAPÍTULO 19: TRANSFERÊNCIA E SUTILIZAÇÃO

I Processo de transferência numeral
1. Comunicação direta com os sistemas de numeração sintética
2. Transferências de numeração sintética e codificador norte-sul
3. Constituição de um Órgão de emergência sincronizada
4. Procedimento de emergência progressiva circundado
5. Sistema de emergência sintética
6. Ressonador sintético progressivo da antena imperiosa
7. Contratos de emergência e círculos 12
8. Acordo de transferência numeral e correlação de síntese

II Transferência em zona de emergência
1. Seres de transferência 8 ou 4 e numeração de interioridade, de inferioridade ou de exterioridade
2. Coordenadores de imperiosa figura e decantadores de metalização
3. Gordagens de emergência e de mutante imperioso
4. Desenquadramento numeral, zona de pressões e doenças
5. Mutação do corpo substancial em transferidor sumeriano absoluto
6. Sistema robótico, suporte de mutação emissora

III Configuração de transferência unitária
1. Circuito robótico e coordenação de imperiosa figura
2. Sutilização e coordenação robótica
3. Configuração de transferência unitária
4. Vórtice de emergência, campo biosférico e planos de formalização
5. Controle de interioridade completo
6. Consagrador e contrato externo
7. Normalizador de interioridade e coordenador sintético
8. Controlador de energia interna e consagrador de numeração
9. Contrato exterior -Círculo12
10. Circuito 5, ressonância e transferência de emergência sintética
11. Curvar os circuitos exteriores rumo ao interior - Configuração transicional
12. Consagração da rede de imperiosa figura e soldadores de mutantes
13. Coordenação de síntese
14. Fórceps de numeração e numeração unitária
15. Numerações de interioridade e de exterioridade, Órgão de interioridade

IV Subtilização
1. Coordenação de imperiosa figura delimitada
2. Gordagem de emergência e fignaturas
3. Constituição do circuito de subtilização
4. Correlação de numeração sintética- Contrato de síntese sincronizada
5. Assinatura de tipo sumeriana em três partes

V Delimitação e processo de emergência
1. Emergência individual ou ligada a de outros seres
2. Delimitação de figuras integráveis e não integráveis- Gestão de sistemas de potência
3. Elevar as assinaturas e eliminar os sistemas de inferiorização
4. Configuração de emergência e orientação de numeração
5. Comunicação sintética reajustada sincronicamente
6. Consagrador de metalização com contratos progressivos
7. Triagem de figuras e divisão de assinaturas não integráveis
8. Necessidade de hierarquizações igualadoras

CAPÍTULO 20: ENCARNAÇÃO DE UM SISTEMA DE EMISSOR INTERNO
Menu
I Dificuldades de emergência sobre um planeta desconectado
1. Intervenção do numerador de interioridade -Luter 84 - Emersões desenquadradas
2. Reajustamento de sistemas de força sobre um planeta desconectado
3. Órgão de numeração unificado - Integrar e não desintegrar

II Condições de Contato com as confrarias sumerianas
1. Intervenção superior sobre a encarnação e bi locação
2. Saída do corpo biológico - Exteriorização ou inferiorização de corpos energéticos
3. Intervenção de um transferidor de interioridade
4. Motores de energia
5. Normalização de um sistema de emergência e círculos de vida

Capítulos de 21 a 30

CAPÍTULO 21: CORPO DE MUTANTE
I Figura de consagração suprema
1. Consagrador de emergência e formalização
2. Controle de interioridade e corpo formalizado
3. Controle de figuras inferiores
4 Transubstanciação e sistema cronometrado

II Transformações em torno de um sinal de emergência
1. Desligamento de emergência
2. Corpo de mutante de interioridade e guarda-costas
3. Reintegração unitária e normalização sintética
4. Derivação para zonas exteriores e fortalecimento do normalizador interior
5 Pais de U e mertil 3

III Corpo físico e corpo energético
1. Corpo físico e matriz sumeriana
2. Alma da Terra, Órgão de vida e mutação planetária
3. Matéria interior, rosa de mutante imperioso e portas de emergência
4. Criação do corpo energético
5. Sistema de mutantes e saída do corpo biológico

IV Unidade de transferência e sistema de mutantes
1. Integração de dois mutantes em um corpo de síntese - Transferidor de numeração integral
2. Emergências em uma figura bi polarizada de mutantes
3. Emergência de um sistema de numeração e continuidade de correlação numeral
4. Integrador de numeração sintética sumeriano juramentado

V Irmãos e irmãs sutis
1. Rosa de energia e numeração sincronizada
2. Irmão da unidade sintética
3. Mutante imperioso e mutante sintético
4. Enquadramento de síntese de emergência e sistema inmergente
5. Corpo de sutilidade e formação de emergência interior

CAPÍTULO 22: CONTROLE DE POTÊNCIA Menu
I Exteriorização e amarras de potência
1. Exteriorização, desconexão e coordenação de numeração sintética
2. Desconexão e frenagem de contratos de emergência
II Confrontações de potências e transmutação
1. Portas de potência, confrontações e guerras
2. Pacificação de confrontações por comunicação extrema-suprema
3. Comunicação de síntese rumo ao Pai Supremo
4. Órgão de vida de um campo unificado

III Integração de sistemas exteriores com forte impulso sobre uma antena de numeração
1. Chegada de assinaturas exteriores e proteção do sistema de emergência sumeriana
2. Contratos de interioridade invertidos e assinatura de síntese sobre várias dimensões
3. Normalização de um sistema de emergência e instalação de Controles
4. Impulsos de energia, compressão e arrimo
5. Controle de integrações em uma antena de numeração interna
6. Normalização de sistemas de exterioridade e gestão de redes de emergência
7. Mensageiros da figura futura - Coordenação de lorses
8. Cruz-do-Sul, analise de um sistema em funcionamento
9. Complexidade das operações no universo

CAPÍTULO 23: SINAL TERMINAL

I Terminal de numeração e antena de interioridade
1. Naves de numeração sintética
2. Sincronizador de emergência e rede própria -Corpos emergentes
3. Encarnação de um sistema de sumeriana essência - Missão de encarnação
4. Programa numeral 1 e código de numeração
5. Repatriação de mães no sistema de emergência - Motor 18
6. Exatidão e criação do terminal
7. Ajustar-se a configuração do numerador de interioridade
8. Comprometer a totalidade de sua figura

II Condições de contato luz
1. Nave de luz e porção de espaço-tempo
2. Condições e lugares favoráveis ao contato
3. Diminuição do motor de imperiosa figura
4. Órgão de normalização em transferência progressiva
5. Materialização de figuras ajustadas

CAPÍTULO 24: PLANO FORMAL, PLANOS PARALELOS
I Sonhos
1. Sonho, ressonância com planos paralelos
2. Sonhos premonitórios e existência formal
3. Circulação de energia interna e desbloqueio

II Planetas, constelações, galáxias e contrato de interioridade
1. Correlações numerais entre os planetas - Planeta Tiria
2. Diferentes tipos de planetas
3. Constelações, galáxias, buracos negros
4. Órgão de vida, corpo de vida e rosas de luz
5. Formação Ber 85 - Dolmens e menires
6. Controle de dispersões de sistemas de potência e corpo ascensionais

III Explosões atômicas, catástrofes e doenças
1. Risco de deflagração para um planeta em atômica figura
2. Programa de numeração sintética, moções-emissoras
3. Saturação de redes de emergência e terremotos
4. Mutações desaceleradas e rupturas de continuidade: dores e doenças
5. Emergência de potência através do corpo físico
6. Cura por mudança do psiquismo humano - Poder de curandeiros
7. Sistema de potência de curandeiros com mãos nuas

IV Transferência de energia e configuração de síntese
1. Reajustamento de potência a um campo luz ajustado
2. Eliminação de sistemas de matança e Controle de potências não integráveis
3. Emaranhado de sistemas substanciais, mecanianos ou metalianos
4. Naves miltar e nuterre 85 - Emissor sintético
5. Refém de numeração
6. Exteriorização de reféns e programa de síntese
7. Aparições de luzes e pureza de energia interna
8. Forfait, emissor externo e interrupção de transferências
9. Liberação de circuitos demasiadamente pesados - Codagens de numeração sintética

CAPÍTULO 25: CONTRATO DE EMERGÊNCIA E UNIFICAÇÃO

I Redes de emergência
1. Matéria emergente e coordenação mecaniana
2. Normalização externa, numeração de exterioridade sintética e numeração imperiosa
3. Equilíbrio entre os contratos de imperiosa figura e o controlador de emergência
4. Codagem emergente completa e numeralização
5. Rede de emergência externa, signatário de mutantes imperiosos e de numeração interna
6. Contrato de emergência sintética

II Assinatura de Contrato sobre uma rede de emergência
1. Numerações externas sobre setores emergentes
2. Controle de emergência por signatário de numeração interna
3. Forças de multiplicação do sistema de potência
4. Reajustamento de portas de força ao sistema de numeração de síntese
5. Consagrador de emergência imperioso

III Consagração de numeração e Órgão de transferência
1. Correção de figuras no interior do sistema de numeração de síntese
2. Gestão do mutante de imperiosa figura - Controle de interioridade
3. Programação de energia e código de inificação
4. Construção de um novo sistema de numeração interna
5. Seres do éter e seres da forma
6. Contrato de emergência de um planeta, corpo de emergência e forças sumerianas
7. O encofrar de emergência, órgãos de emergência e mutações sutis

IV Transferências interdimensionais
1. Adaptação de Controles de interioridade e aceleração do Órgão de interioridade
2. Manobras de numeração sincronizada e Órgão de interioridade
3. Repatriação de figuras externas pelos vórtices de emergência e reajustamento unitário

CAPÍTULO 26: VIVOS, DORMENTES, MORTAIS E MORTOS


I Forças de morte, sistema de refundição
1. Corda de numeração interior polarizada entre a unidade interna e o circuito formal
2. Sistemas de mutantes e forças de morte
3. Contato com os planos de morte e riscos de desvio
4. Delimitação fora de zonas inferiores ou desvio em zona de morte
5. Refundição, purificação por compressão
6. Peso planetário, magmas e vulcões - Viagem do filho pródigo

II Reinserção e plano de unificação
1. Cargas de numeração conforme o lugar de existência
2. Desequilíbrio de potência e sistemas de inversão
3. Dormidores, mortais e mortos - Trabalhar enquanto é dia
4. Joio e trigo -Mortal vitorioso
5. Proteger seu sistema de emergência de assinaturas de morte
6. Codificação imperiosa - Elergia

CAPÍTULO 27: CONTRATO DE INTERIORIDADE


I Contratos de transferência de emergência em zona luz
1. Controle de interioridade, sistema de imperversão e controlador de inserção
2. Circuitos de exteriores dardaneles -Acordo com os circuitos metalianos
3. Contrato de interioridade -Motores de emergência e de vida
4. Contrato de transferência e conselhos de luz
5. Reinserção de corpos inferiores em zona sumeriana e códigos emergentes
6. Exteriorização de circuitos de emergência não integráveis - Fossas de luzes
7. Coordenação de transferências
8. Sutilização interna, exteriorização em campo de potência e cotagens de energia

II Comunicação sumeriana e aparições de luzes
1. Repatriação de sistemas de emergência extrema e figuras de numeração integráveis
2. Espiral de numeração e motor de Pais de U - Código de numeração
3. Órgão emergente ajustado aos cinco sentidos: passagem da zona exteroceptiva a zona interoceptiva
4. Comunicação em direção do Último.
5. Níveis de normalização: unidade interna, zona intermediária ou figura de potência
6. Transferência de circuitos de força por meios exteriores
7. Aparições de luzes
8. Transferência de energia de uma zona exterior para zona interna
9. Contrato de inserção luz - Nave 1425
10. Consciência do sinal de numeração de síntese

III Numeração imperiosa e emergência sintética
1. Matéria, estado da energia - Intervenção de verificadores
2. Pre-organização de sistemas de potência
3. Necessidade de uma transformação antes de se aproximar de um sistema de unificação
4. Controle de emergência sintética e moção de emergência

CAPÍTULO 28: CORRELAÇÃO NUMERAL DE EMERGÊNCIA UNITÁRIA
I Código de emergência e contrato de interioridade
1. Áreas de emergência, preparação e canalização de energias
2. Equilíbrio de emergências externas em relação aos circuitos de interiorização
3. Dispersão de sistemas de emergência nas zonas de potência
4. Criação de uma zona de emergência, pré canalização, reintegração ou deriva
5. Integração numeral interna e divisão do sistema de emergência
6. Repatriação do sistema de exterioridade dentro do eixo do sinal unitário interno
7. Transmutação da energia a consciência para uma transferência sintética
8. Funcionalidade de áreas de transferência, pré-programação
9. Constituição de um corpo de interioridade - Transferência de figuras a grande distância
10. Contrato de interioridade -Omer - Fanfarras emissoras
11. Correlação de emergência em campos muito vastos - Criação de um ressonador de emergência

II Sistemas de emergência
1. Equilíbrio entre a força e a energia - Normalização
2. Assinatura multipolar, controlador de emergência sincronizada
3. Sistemas robóticos e redes emergentes progressivas
4. Criação da correlação numeral - Transferência de imersão para sistema de força

III Programa de numeração sintética e deriva externa
1. Órgão de numeração interna, reinserção ou deriva
2. Correlação numeral interna de dois mutantes interno e externo
3. Deriva externa e interrupção de assinaturas de emergência na antena unitária
4. Assinatura de desconexão final, possibilidade de retorno
5. Numeração sintética e reintegração de sistemas de exterioridade
6. Acesso aos sistemas de áreas de decantação

CAPÍTULO 29: TRANSFERÊNCIA A UMA DIMENSÃO DE SÍNTESE

I Configuração de reinserção e numeração de síntese sumeriana
1. Figura eternel e vórtices emissores
2. Emergência e configuração de síntese
3. Transferência sintética parcial
4. Configuração de reinserção
5. Numerador externo, numerador de interioridade e sinal de síntese
6. Reféns de numeração e Controles externos
7. Síntese luz, feixes de transferência e coordenação de emergência

II Corpo de emergência completo e círculos de luz
1. Assinatura unitária de um corpo de emergência e reunião de uma figura completa
2. Profissional figura e estabilização prophetitionnelle
3. Cauterização de violências inferiores e transformação do mutante imperioso

CAPÍTULO 30: SISTEMA DE MUTANTES


I Corpo de mutantes
1. Integração de um corpo de mutante em um corpo físico
2. Potências emergentes internas e externas - Deslocamento de motores de imperiosa figura
3. Custo da encarnação de um sistema de numeração sintética
4. Centralização de circuitos imperiosos por assinaturas robóticas e organização de transmissões
5. Coordenação de emergência distanciada e levantamento de sincronização mecaniana
6. Controles de emergência robóticos delimitados e estabilizados

II Centralização de emergência
1. Organograma de contratos de emergência e Órgão de imperiosa figura
2. Corrente de emissão e de reinserção de um sistema formal
3. Informações de consciência para a repatriação de figuras externas

Capítulos de 31 a 40

I Codagem de energia interna e operação de transmissão
1. Codagem, assinatura de emergência codada
2. Codagem de energia interna pelos sistemas de potência
3. Corpo de forma e corpo de sutilidade
4. Sumeriana essência de energia interna e sumeriana essência derivante-Código emergente
5. Rede de emergência sincronizada
6. Ressonância com uma dimensão de síntese
7. Poderes de transferência da numeração unitária interna - Ressonância robótica

II Integração de sistemas de exterioridade - Conselho da ordem
1. Sincronização de forças emergentes - Sistemas explosivos
2. Configuração de um sinal de numeração de síntese - Mutações paralelas
3. Operações de sincronização, coordenação e controladora figura
4. Mundo exterior, mundo interior e Órgão de vida
5. Conselho da ordem
6. Coordenadores de emergência
7. Deslocamento do corpo substancial abaixo da zona de encarnação de origem

III Sinal de transferência sintética imanente
1. Numeração sintética, reajustamento sobre diversos planetas
2 Ressurgimento do mutante imperioso -Apoio a partir de outros mundos
3. Terminar seu programa de emergência - Quadro de estrutura - Situação de síntese
4. Contrato de interiorização total e sistema de numeração de síntese codificada
5. Desaparecimento e reaparecimento do corpo físico
6. Aparição de naves - Relação velocidade-espaço-tempo, consciência- energia- matéria
7. Sinal de mutante imperioso, subtilização e pré programação
8. Construção do Órgão de emergência imperioso - Integração espaço-intemporal
9. Órgão de interioridade e numeração de síntese

CAPÍTULO 32: CONSCIÊNCIA E SISTEMAS DE CONTROLE

I Gestão de potência e de exterioridade em síntese numeral
1. Numeração de um transferidor de interioridade - Risco de perder sua estrela
2. Elevação para contrabalançar a amarra profunda e integração em um sistema de consciência sintética
3. Coordenação de potência e construção da unidade interna de um
4. Sono - Relação entre o numerador de interioridade e o corpo físico
5. Assinatura de emergência sem descontinuidade de consciência
6. Importância do repouso para um centralizador

II Controles robóticos e círculos de emergência
1. Construção de uma figura exata e controladora
2. Criação de uma aparelhagem robótica para uma centralização de emergência
3. Codagem e círculos de emergência

III Coordenação necessária para de grandes antenas de transferência
1. Corpo de força, gordagens de emergência e sistemas em direção
2. Assinatura de potência esticada extrema e sistema de numeração inserida

CAPÍTULO 33: LUGAR DE EXISTÊNCIA, QUADRO DE NUMERAÇÃO

I Comunicação com um sistema de potência pesado
1. Programa de mutante e zona de mutante imperioso
2. Contatos de numeração em função do sistema de emergência
3. Metalização de numeração sincronizada - Bain 83
4. Lugar de existência e comunicação sintética
5. Codificadores emergentes -Reinserção de figuras para transferência sintética

II Reintegração e código de numeração interior sintética
1. Intervenção sobre sistemas de fechamento sumeriano
2. Profeta da unidade interna
3. Quadro de numeração

CAPÍTULO 34: MUTAÇÃO PLANETÁRIA CORRELAÇÃO ENTRE OS MUNDOS

I Sistema de interioridade com dupla configuração
1. Intervenção da frota sumeriana sobre um planeta
2. Mutação em diversas assinaturas -Codificação sincronizada
3. Criação de uma numeração de interioridade no interior do sistema de numeração de síntese
4. Criação de um circuito de numeração interna dentro de um circuito de numeração interna
5. Numeração de síntese e numerador de interioridade interna
6. Transferências, contratos e fórceps de emergência
7. Aceleração de cotagens de emergência e simplificação de codificações de numeração
8. Centralização direta ou rede de emergência sintética - Numeração de unidade interna codada

II Reajustamento planetário
1. Sistema de numeração estabilizado reforçado e ação planetária
2. Configuração unitária para o reajustamento do planeta
3. Numeração exterior em função do lugar de existência
4. Distorções sobre a zona Terra -Reajustamento a unidade interna
5. Intervenção desse mundo sobre os outros mundos e reequilibração progressiva

CAPÍTULO 35: NAVES SUMERIANAS

I Intervenção da frota sumeriana sobre o circuito de transferência
1. Frota sumeriana e vigilância de porção de espaço-tempo
2. Código de numeração sintética enquadrado por um sistema de potência triangular
3. Coordenação de emergência e derivação -Varior 18
4. Grande jogo de transferências de numeração
5. Corpo de mutantes e codificação numeral
6. Processo de síntese -Círculos de numeração sumeriana

II Aparições de luzes e amplificação temporal
1. Zonas de numeração internel e codificação luz -Aparição de naves
2. O encofrar de futura essência -Tipos de formalização
3. Frotas externas, condições de existência e duração de vida
4. Numeração e ressonância no tempo
5. Duração de vida, registro numeral interno e codificação unitária
6. Extensão progressiva e codificação unitária

III Aproximar da imortalidade rumo ao intemporal
1. Codificação imperiosa de longa duração e aproximação de uma dimensão intemporal
2. Amplificação temporal em um mundo condensado e pesado
3. Amplificação de emergência planetária - Syster 2-8
4. Emergência luz, qualidade luz em diferentes planetas
5. Luz interior, interiorizações unitárias e coordenação luz
6. Numerador de síntese, número, codagem de numeração e círculos de transferência
7. Feraichos de emissores e codificações luminosas
8. Processo de interiorização rápido

CAPÍTULO 36: CONSTITUIÇÃO DE UMA FROTA SUMERIANA


I Criar uma duplicata do sistema formal
1. Mestria do espaço-tempo, coordenações entre os planos, codagens e numerações
2. Numerologias e linguagens galácticas - Reconstituição de um organismo
3. A-E-É-I-O-OU: Controle pelo som de assinaturas de emergência sintética - Rebis
4. Configuração celular cristal-metal miniaturizada
5. Decodificação e criação de primeiros elementos da frota

II Codagens de Controle de um processo de emergência
1. Miniaturização, pré-formalização numa forma material
2. Reféns de emergência e Controle de energia sincronizada
3. Controle de ereção, zona do zero cheio e zona do zero vazio
4. Poder de numeração sobre doze planos
5. Controle de emergência sintética e mudança do Controle de energia

CAPÍTULO 37: TRANSFERÊNCIA UNITÁRIA INTERNA


I Processo de emissão sumeriana codificada - Transferência INICIOm-mulher
1. Velocidade de deslocamento, insígnia de Controle
2. Configuração de transferência ordenada até o plano imperioso - Emergência INICIOm-mulher
3. Papel do INICIOm reajustado a unidade interna
4. Complementaridade de sistemas masculino-feminino e poder de transferência
5. O INICIOm com reajustador de numeração de síntese -Economia energética
6. Código de numeração sintética unificado e controlador de interioridade sumeriana
7. Correlação sintética de sistemas exteriores rumo a um numerador de interioridade
8. Órgão de numeração unificado - Elevação pela acumulação de energia unificada
9. Transferência unificada e risco de inversão de circuitos exteriores

II Codificação de síntese
1. Assinatura de emergência sintética entre o INICIOm e a mulher
2. Contratos de síntese sobre diversas dimensões
3. Contrato 9 - Pré -síntese
4. Assinatura do numerador de interioridade com um único ou vários corpos ajustados
5. Codificação do sistema de emissor sintético

CAPÍTULO 38: CÍRCULOS DE EMERGÊNCIA Menu

I Transferência de numeração e círculos de emergência
1. Cruz do Sul - Épsilon 6
2. Fórceps de energia e contrato de síntese
3. Acelerações internas e repatriação de circuitos exteriores

II Círculos sumerianos
1. Sistema de numeração de sincronização energetificada pelos círculos sumerianos
2. Criação de círculos sumerianos em camadas de emergência
3. Mutação de exterioridade ativa - Opars de numeração
4. Contrato de transferência em grande extensão
5. Reconectar o sistema de emergência

CAPÍTULO 39: RELAÇÃO CONSCIÊNCIA-POTÊNCIA

I Ressonadores materiais
1. Chegada de uma potência em circuito de emissor
2. Realização de ressonadores imperiosos
3. Tradições e materialização de assinaturas de transferência
4. Sistema polinésio, sistema japonês e redes de emergência

II Transferência sumeriana
1. Desencadeamento da transferência de emissor
2. Contratos de interioridade e poder de reinserção
3. Deslocamentos de emergência com indivíduos e com planetas
4. Transferência direta na zona do sumeriano sintético
5. Relação entre a cabeça e o corpo
6. Programa de emissor e criação de um mestre de mutante imperioso
7. Contrato de transferência interna e reajustamento de assinaturas imperiosas
8. Limite Ber e sistema de emergência paralelo
9. Motores de tornado* interior
10. Numeração de exterioridade
11. Emissor sintético e mudança de continuum

III Contrato de interiorização e deslocamento do sistema de potência
1. Veículo biológico e P4 não deslocável
2. Gestão de sistemas de potência além do limite individual do ser
3. Exatidão absoluta em zona exterior

CAPÍTULO 40: CORRELAÇÃO NUMERAL DE SÍNTESE UNITÁRIA


I Contratos de interioridade e coordenação de inserção
1. Motor de interioridade, sincronização de motores de vida
2. Continuidade de comunicação com o Céu e estado de queda
3. Necessidade de um sinal de numeração completa

II Correlação de unificação e transferência unitária sintética
1. Operatividade de um grupo coordenado e unificado
2. Reajustamento de um motor de transferência unitária interna
3. Colocação em funcionamento do sistema de transferência unitária - Pais de U
4. Risco de derivação, seletividade e reajustamento a linha unitária interna
5. Controle de exterioridade pelos circuitos Ber - Vitalização do sistema biológico
6. Sutilização e comunicação Terra-Céu
7. Intervenção de um sistema informal sobre um sistema formal - Importância do contrato de interioridade
8. Signatários de interioridade e signatários de exterioridade

Capítulos de 41 a 50

CAPÍTULO 41: COMÚNICAÇÃO INTERDIMENSIONAL

I Correlação de emergência entre homens e mulheres
1. Energia demasiadamente compacta e correlação yang
2. Grande sutilidade e correlação yin
3. Sistema de emissor de correlações homem-mulher e pais-filhos
4. Exteriorização da zona de numeração yin-yang
5. Ressonador extremo-supremo: a cabeça e o corpo
6. Amplificação de emergência ao redor de um numerador de interioridade
7. Reagrupamento em torno de um numerador de interioridade
8. Ajustar o campo do mortal ao imortal

II Processo de reajustamento sintético unitário
1. Shunt de emergência
2. Codificação interna e corporal exterior
3. Transferência e numeração de interioridade
4. Criação do Órgão de síntese sumeriana
5. Desdobramentos fora do corpo físico
6. Fortalecimento da minutagem de luz
7. Reajustamento multidimensional e poder de reinserção
8. Mutação do sistema Ber - Nave-mãe
9. Corpo glorioso, estado de condensação luz
10. Acordo com outros planetas e sistemas de equivalência entre os mundos

III Conferência da unidade e reinserção unitária
1. Operação de eneter interna
2. Trocas de energia no interior de naves-mães
3. Integração em um sistema de numeração interna
4. Contratos de interioridade em forma de numerologia
5. Nascimento de numerações em um mundo desconectado
6. Reajustamento de mundos desconectados e minutage de figuras a reintegrar
7. Codagens de energia sintética e números
8. Codificação de emergência interna
9. Aperfeiçoamento de assinaturas de síntese - Controles supra-universais
10. Equilíbrio de assinaturas de energia e de consciência
11. Verdade parcial ou verdade intra-universal

CAPÍTULO 42:NORMALIZAÇÃO

I Controle de numeração e processo de normalização
1. Normalização de interioridade e numeração de exterioridade
2. Sistema de potência não integrável e operação de emergência de potência externa
3. Codificação de numeração
4. Amplificação do código de numeração e normalização
5. Normalização de imperiosa figura
6. Reajustamento direto de emergência imperiosa

II Condensação material e zonas de sutilidade
1. Andares de numeração e bloqueios de energia
2. Codagens de energia da matéria - Cristais
3. Construção de assinaturas sutis a partir do sistema formal mortal
4. Criação particular no interior da criatura
5. Rede particular criada depois do corpo substancial - Contratos de transferência

III Destino do ser
1. Conjugação do numerador de interioridade ao seu sinal de síntese
2. Programação interna e contato direto
3. Contrato de imperiosa figura - Registro robótico
4. Mudança de destino e aceleração de transferência
5. Constituição do mecanizador de imperiosa figura
6. Destinos parciais -Infermuration

CAPÍTULO 43: VEÍCULOS DO SER

I Reajustamento unitário e fronteira de desconexão
1. Numerações de transferência em três partes -Emissão e retorno
2. Aparelhos de energia interna e zonas desconectadas
3. Sistemas de emissor interno derivados - Estação orbital
4. Órgão de síntese sumeriana de um corpo reajustado e iluminação
5. Síntese sumeriana e centralização imperiosa sincronizada
6. Enquadramento de sistemas explosivos e Controle de inserção
7. Relações de processo de emissores com as zonas de potência
8. Rocar, um mestre do Esser seção 9
9. Semelhança com os outros mundos

II Veículos de consciência e de potência
1. Corpo de energia sutil, corpo físico e corpo de potência inferior
2. Corpo de inserção interno e corpo físico, desdobramento e risco de descontinuidade
3. Repatriação do potente ao interior do veículo físico
4. Criação do Órgão de interioridade

CAPÍTULO 44: ASSINATURA DE SÍNTESE
I Reajustamento do sistema de numeração unitária
1. Sumerianização do sistema de interioridade codificado e reajustamento imperioso
2. Transferência entre o sobrehumano e o subhumano -Cobificação
3. Afastamentos energéticos e linha de imortalidade

II Processo de transferência unitária interna
1. Fatores de variação de estados energéticos humanos
2. Posicionamento do B4
3. Transferidor final e configuração de emergência com grande envergadura
4. Plano de transferência e porções de espaço-tempo covinaculées
5. Defasagem temporal entre a energia de sumeriana essência e a potência de emergência
6. Estresse e igualamento de emergência
7. Derivação de emergência, ilusão e tentação de potência
8. Condições exatas de exteriorização-Assinatura de eternel 3
9. Parcial de emergência
10. Concentração de energia e assinatura completa do ser - Extensão e risco de distorção
11. Integração num eixo de numeração de síntese
1.2. Evitar os caminhos espaçosos que levam ao abismo

CAPÍTULO 45: LINHA DE IMORTALIDADE
I Ajustamento do Controle de interioridade
1. Controladores de numeração sintética -Destruição, transformação, sutilização
2. Programa da encarnação: reunião de mutantes imperiosos e sumerianização unitária
3. Antena de síntese unitária e linha de imortalidade
4. Encarnação do sistema de emissor sintético e Órgão de transferência externa
5. Numeração de síntese de mutantes imperiosos
6. Círculos de numeração imperiosa e rede de emergência
7. Transformação do corpo emissor, desaparecimento rumo ao inferior, ao exterior ou ao superior

II Etapas da transferência sumeriana
1. Miniaturização do sistema atômico-molecular e codificação numeral completa
2. Reajustamento do motor de imperiosa figura -Camaradagens com os mutantes exteriores
3. Divisão de codificadores de interioridade
4. Campo de emergência periférico e Repatriação de configurações externas

CAPÍTULO 46: NUMERAÇÃO SINTÉTICA E INTEGRAÇÃO LUZ


I Sistema de emissor externo e sistema de síntese
1. Integração luminosa
2. Contato com os sistemas de força
3. Encarnação de um sistema de numeração sumeriana e programa de emergência de formas
4. Camaradagens de luz entre os sistemas de emissor sintético e de mutante imperioso
5. Contatos de interiorização sobre um planeta desconectado
6. Sincronização para os contratos de interioridade -Cigarra 2 e 3
7. Assinatura de contrato sobre porções 55-56-57-58 e comunicação sintética
8. Camaradagens com zonas de emergência demasiadamente pesadas
9. Contrato 10 e Ber 4
10. Órgão de Pais de U e figura lunática - Terra 4
11. Conquista da imortalidade -Violência exterior e força interior

II Conselhos para o estudo dessas transmissões
1. Contrato de interioridade
2. Ação sobre potências de mortais inferiores
3. Ação sobre zonas de numeração exteriores
4. Transformação sobre uma antena de sumeriana essência
5. Limite e Controle de um campo de energia ajustável ao sinal de sumeriana essência

CAPÍTULO 47: CONJUNÇÃO UNIDADE-MULTIPLICIDADE

I Numeração sintética e emergência externa
1. Processo de sensibilização, emergência em parcialidade
2. Numeração sintética e rede de exterioridade conjugada
3. Contrato de emergência externa em zonas longínquas

II Polarização unidade-multiplicidade na sociedade
1. Realidade energética interna e consciência humana
2. Reaproximar-se o mais possível de sua numeração de síntese - Moralidade
3. Soldar novamente a unidade e a multiplicidade
4. Acumulações de potência e zonas explosivas
5. Transferência de numeração
6. Criação de polos de junção unidade-multiplicidade
7. Consciência de interioridade e shunt de numeração imperiosa
8. Comunicação com o sinal de síntese unitária

CAPÍTULO 48: ENCARNAÇÃO E EMERGÊNCIA SUMERIANA

I Mutação interna e exteriorização de energia
1. Emergência externa e maîtreur de energia interna
2. Canalização interna, Controle de emissão externa e contato de emergência
3. Etapas de preparação para uma emergência sumeriana
4. Registro de figuras não unificáveis em sinais exteriores
5. Poluições de emergência -Motor de imperiosa figura

II Processo de estados de encarnação
1. Origem da encarnação - Porções de espaço-tempo derivadas
2. Codificação formal da encarnação consciência-interioridade-potência
3. Contrato de numeração até o plano material -Dolmens e menires
4. Correlação de numeração com planetas ou estrelas
5. Comunicação luz longínqua por intermediários sucessivos
6. Correlação temporal de linhas de numeração e aceleração de destino

III Consciência de mundos sutis e reajustamento planetário
1. Tensão de consciência entre os corpos sutis e o corpo biológico
2. Aceleração de sistemas pesados e lentos
3. Resistência social e cristalização institucional
4. Descristalização de sistemas de Controle imperioso
5. Nova configuração da shunt figurada entre o inferior e o superior

CAPÍTULO 49: NÚMERO E CODIFICAÇÃO


I Assinatura de emergência e elementos do número
1. Número, assinatura de codificação unitária interna
2. Elementos do número
3. Primeiro elemento, o número de Controle -Segundo, a antena de potências
4. Elemento terminal do número -Contrato em 3 números
5. Código de numeração 66, 666 e 144.000
6. Os 4, 5, 6, 7, 8, 12 - O 07
7. Número de interiorização e poder de transferência

II Numerador de interioridade cifrado e operação de emergência sintética
1. Para o despertar de um ser, necessidade de correlações imperiosas
2. Numerador de interioridade 1.425 e sistema 725
3. Comunicação iniciática interna e emergência sintética
4. Mutação sintética
5. Ressonância luz ou concentração unitária
6. Numeração de mídia e contrato 10
7. Comunicação direta com as interioridades do universo

III Programa de numeração unitária interna
1. Assinatura com circuitos originados de zonas de mídias
2. Unificação, continuidade com o eixo de imortalidade - Sobreviventes adormecidos
3. Inferno e danação, uma queda para o inferior
4. Reajustamento de sistemas em queda - Shunt de circuitos ajustáveis
5. Distanciar-se de camadas de mortandade inferior

CAPÍTULO 50: ASSINATURA DE SÍNTESE SUMERIANA
I Contato de numeração e reservas de energia
1. Contrato de interioridade ajustado ao plano formal
2. Shunt com as reservas de energia externa
3. Órgão de síntese unitária e reserva de energia
4. Mutação de sistemas de emissor imperioso
5. Motores de interioridade, numeração de exterioridade e Órgão de inserção
6. Dificuldade de inserção em um campo extenso
7. Acordo entre o transferidor de interioridade e o Órgão de transferência externa

II Sistemas de emergência externa e transferência de emissor interno
1. Desestruturação de sistemas de emergência externa quando da reinserção de
estruturas de emergência imperiosa
2. Desenquadramento por excessos de sobrecarga imperiosa
3. Ponta de mutante, numeração de interioridade e numeração de exterioridade
4. Utilização da energia do sistema interno para zonas imperiosas não integráveis: risco de deriva
5. Controle de sistemas 56-57-58
6. Numeração externa conforme a qualidade da numeração interna
5. Transferências em planos sobrehumano, humano e subhumano: computadores e
permutadores
8. Operação de maîtreurs unitários
9. Sistema de emergência e Órgão de transferência imperiosa
10. Sistema de emergência imperiosa organizada

Capítulos de 51 a 60


CAPÍTULO 51: TRANSMUTAÇÃO E CAMINHO DE RETORNO
I Ressonadores
1. Figuras de energia envolvendo o corpo físico
2. Ressonâncias entre os mundos e interiorização
3. Reinserção de figuras: redenção da mãe pelo filho

II Corpo formal, veículos sutis e caminho de retorno
1. Alcançar sua assinatura de emergência pela mestria do seu limite
2. Corpo de forma e círculos de síntese - Poder de transferência unitária interior
3. Corda de vida e assinaturas de potência
4. Codificação de interioridade e caminho de retorno
5. Ressurreição e número

CAPÍTULO 52: CONTRATO DE INTERIORIDADE E DESMATERIALIZAÇÃO

I Redes de emergência - Corpo de luz
1. Controle externo e imperioso
2. Contrato de interioridade ou assinatura exterior - Motores de transferência em paralelo
3. Corpo de vida e corpo de energia
4. Realização do corpo emergente sumerianizado - Intervenção do conselho 56-57-58
5. Programa de encarnação e comunicação sintética

II Desmaterialização do corpo substancial
1. Condições para uma transmutação completa do corpo físico dimensão interior
3. Mudança do Órgão de transferência interior
4. Alma, dimensão de ressonância entre ciência e potência
5. Estado de pureza - Condição de ordem absoluta e de conformidade total

III Programa de emergência interna e imperioso
1. Aparelhos emergentes robóticos - Órgão de despertar em campo de potência
2. Codificação de interioridade criada graças a uma obra
3. Intervenção de um numerador mediador de um programa de emergência interna
4. Perigo de inferiorização em um programa de emergência
5. Contrato de interioridade e visão protosintética
6. Necessidade de um trabalho preciso para assinar seu contrato de interioridade
7. Perigo de sistemas desconectados para um programa de interiorização
8. Corpo de inferioridade e aparelhos emergentes

CAPÍTULO 53: ASSINATURA DO CONTRATO DE EMERGÊNCIA INTERNA Menu

I Etapas do programa de emergência
1. Programa de numeração sintética suprema e Órgão de interioridade
1. Disjunção em zonas exteriores e inferiores - Condições de codificação de interioridade
3. Contrato de interiorização permanente e direito de retorno
4. Liberação de amarras de potência -Elas de luz
5. Repatriação de redes externas em zona de síntese e círculos de luz
6. Esferas de emergência e canal de emergência sintética
7. Órgão de interioridade e Controle de numeração de síntese
8. Processo de interiorização e mudanças de emergência
9. Sistema de vida e normalização de interioridade
10. Insígnia* de emergência e conjugação unitária
11. Órgão de interioridade e campos de emergência luz

II Condições do Contrato de imortalidade
1. Assemelhar-se a imortalidade: ajustar-se ao que permanece
2. O Homem imortal, um ser de síntese tempo-espaço-matéria
3. Concluir para reconstruir o ser cósmico completo
4. Mortalidade e dispersão, imortalidade e reconstituição de elementos dispersivos
5. Reunir suas figuras no interior de seu veículo formal
6. Consciência imortal, completitude e presença absoluta com simultaneidade no espaço e no tempo
7. Reordenar o seu sistema de emergência
8. Etapas do desenvolvimento do individuo
9. Comunicações unitárias exatas: conjugar os sistemas eternels, externels e seternels em uma única figura

CAPÍTULO 54: CRIAÇÃO DE UMA ANTENA DE EMISSÃO-RECEPÇÃO

I Transferência de numeração interna
1. Programa de emissor interno em linha de numeração e pré- programação
2. Órgão de transferência sintética unitária
3. Mutação e trabalho prévio de sistemas de numeração que envolvem o sistema de numeração de síntese
4. Codificação de sumeriana essência em várias etapas
5. Canal unitário e insígnia de transferência

II Contrato de numeração de ressonância e Controle externo
1. Corificação e ressonância iniciática interna
2. Acionar controladores de interioridade
3. Rede de emergência externa
4. Configuração do motor de interioridade -Controle 56-57-58 ao redor do 55
5. Consigurations e círculos de numeração

III Sistema de antena receptora-emissora
1. Canal de emergência em vários andares -Antena de energia interna
2. Ser um receptor, um amplificador ou um transformador
3. Sistemas robóticos no plano de sumerianas essências -"Ajuda-te, o Céu te ajudara"
4. Submeter seus círculos de força a sua assinatura de emergência
5. Centralização de numeradores de interioridade em baixa, média e alta frequência
6. Dimensão de grande mestria
7. Cadeia de emergência

CAPÍTULO 55: NUMERAÇÃO SINTÉTICA E INTEGRAÇÃO LUZ
I Repatriação de sua totalidade
1. Integração e equilíbrio de numerações ajustadas a um ser
2. Comunicação numeral difícil e desvio de circuitos mal equilibrados
3. Deriva e figura de Éster 85
4. Buraco energético e aumento da potência
5. Equilíbrio entre potente e Controles de exterioridade - Or 7

II Reunião de elementos de transferência
1. Mestria de seus sistemas de potência para se integrar em um sistema de transferência
2. Delimitação da zona de transferência e centralização
3. Órgão de inserção em numeração de interioridade - Limite de exterioridade e de inferioridade
4. Configuração de um sistema de interioridade sem dispersão

III Integração em uma assinatura de interioridade
1. Origem da desconexão: desequilíbrio entre sistemas de exterioridade e de interioridade
2. Comunicação entre circuito de síntese e transferência de emissor sincronizada
3. Pais de U - Órgão de transferência de um ser de numeração
4. Reajustamento de circuito inferior em zona ascensional - Grau de liberdade

CAPÍTULO 56: IMPERIOSA FIGURA E CORRENTE DE TRANSFERÊNCIA LUZ


I Sistema de mutantes imperioso e círculos de numeração
1. Transferência de figuras imperiosas
2. Cristalização - Conivar 3
3. Ourives da unidade, órgãos de emergência
4. X 13 sinal limite
5. Utilização de circuitos robóticos - Conselho 6 e conselho 7
6. Sistema 55, consagração e 56-57-58 torto

II Contrato 55-56-57-58 e codificação luz
1. Transferência de immixtion em zona de potência
2. Contrato de interioridade e conselho 7
3. Sistema externo, sistema inferne e sistema unitário interno
4. Órgão de interioridade luz 56-57-58 e P 4 inferiorizado
5. Círculos 2, partícula de tornade e distorções
6. Contrato de inserção sobre uma antena de transferência sintética e
56-57-58

III Cadeia de transferência e numeração interna 55-56-57-58
1. Delimitação do sistema de potência e cadeia de transferência luz
2. Emergência do circuito C 7 - Numeração interna 55-56-57-58
3. Codificação de interioridade no interior de uma delimitação material robótica
4. Assinatura de transferência luz – Pré programação
5. Coordenação robótica e órgão de inserção sumeriana 55-56-57-58
6. Intervenção de sintéticos para uma saída completa do plano forma

CAPÍTULO 57: FIGURA DE RETORNO

I Corpo formal e órgão de interioridade
1. Órgão da vida e órgão de interioridade
2. Codificador de interioridade e assinatura de Controle sumeriano
3. Órgão de vida e operação de potência
4. Processo de inferiorização e potências em mortal figura
5. Reajustamento de sistemas de potência longínquas
6. Conjugação de sistemas em transformação sumeriana
7. Contrato entre os sumerianos e o sistema de potência

II Comunicação entre a Terra e o Céu
1. Assinatura luniterra
2. Processo de emergência e programa de inserção
3. Codificador de sumeriana essência e reajustamento planetário
4. Professor de antena

III Círculos da unidade e código da unidade interna
1. Intervenção da insígnia 10 sobre esse mundo
2. Plano dos sumerianos -Acesso aos círculos da unidade
3. Ciência interior para uma consciência permanente
4. Escolha do retorno ou do deixar por conta
5. Interiorizar sua imensidão e entrar no contexto da unidade interna

CAPÍTULO 58: OPERAÇÃO DE INTERIORIZAÇÃO DE UM PLANETA
I Vigilância dos mundos
1. Plano formal da Terra - Numeração interna e círculos de potência
2. Pais de U e normalizadores de imperiosa figura
3. Reajustamento a um sistema de síntese unitária

II Processo de interiorização e círculos de numeração
1. Coordenação entre todos os sistemas pelo conselho 6
2. Concentração de interiorização
3. Camaradagens energéticas intergalácticas
4. Transferências de emergência a partir do 56-57-58
5. Tempo disponível para assinar seu contrato de interiorização
6. Reunião sobre uma antena de transferência

CAPÍTULO 59: PROGRAMA DE MESTRIA CONTRATO DE INSERÇÃO
Menu


I Transferência interdimensional e reino inferior
1. Cordas de numeração imperiosa e programa de numeração de interiorização
2. Codificações de inferioridade e intermediário de emergência
3. Gestão de condições de emergência - Sistemas limites entre esse plano e a morte
4. Os infernos - Derivação fora desse mundo e reemergência
5. Reajustamento de círculos limites de potência e círculos 56-57-58
6. Sinal de numeração terminal e negociação no plano dos mortos

II Troca numeral de inserção em sistemas distanciados
1. Círculos do eternel e figuras de rebelião
2. Seleção de numeração - Reprodução do sistema 56-57-58 em todos os andares
3. Concepções luminosas parciais e construção de um segundo sistema de Controle 6
4. Derivação de sistemas externos e distanciamento de potência
5. Gestão longínqua por exteriorização dos 56-57-58
6. Troca numeral de reinserção e soldagem de circuitos sutis distantes
7. Troca entre os mutantes de inserção e os sistemas de potência inferior
8. Operações de tipo mundial para uma única configuração de sumeriana essência
9. Configuração de uma tornância de emergência
10. Programa de mestria: evitar a ilusão de operações de potência

CAPÍTULO 60: CONTRATO DE INSERÇÃO Menu

I Criação artística, celebridade e recuperação do sistema de inserção
1. Criação artística e forma de transferência
2. Celebridade após a morte e reajustamento de imperiosa figura
3. Realce e recuperação de sistemas de inserção
4. Saída do corpo formal: inserção unitária, reencarnação ou mergulho infernal

II Contrato de inserção
1. Contrato de inserção em zona infernal
2. Sistema de inversão em uma zona de potência
3. Conselho 6, codage de numeração e imortalidade
4. Codificação luz e sincronização lunere
5. Insígnia 6, círculos lunere, formação de um corpo luz
6. Decisão de unificação - Extrair a raiz de sua configuração para se integrar no alto em totalidade
7. Reajustamento em totalidade -Condição de unificação sintética
8. Contrato de inserção -Reajustamento a um sistema de unificação interior
9. Decisão e tempo de transferência - Programa de inserção
10. Controle C 6 e divisão do programa de inserção
11. Impossibilidade de assinar contratos em zonas não numeráveis


Capítulos de 61 a 70

CAPÍTULO 61: NUMERAÇÃO DE INSERÇÃO
I Numeração de inserção
1. Círculos de emissor nave 8425 e configuração de inserção
2. Operação inçãordinee e contratos de interiorização
3. Corda de numeração, assinatura de intersecção -Numeração de sistemas derivados
4. Quadro de Controle derivado e numeração externa
5. Programa de inferiorização potente e codificação de inserção ativa
6. Conselho 6 e sistemas de unificação suprema
7. Problemas de inserção num planeta não conectado
8. Mutantes de inserção em código de numeração externel
9. Emergência imperiosa: sudar 885 e codificador 6

II Motor de emergência externa e distorção
1. Transferidor de emergência codado sobre duas antenas e motor de emergência externa
2. Não confundir emergência de potência e contrato de inserção
3. Decantação de emergência e inserção de sistemas de potência integráveis
4. Reconstrução do Controle de imperiosa figura ou inversão
5. A refundição: descida em zonas gravitacionais
6. Deriva de contratos não unificáveis e interiorização de circuitos unificáveis
7. Economias de numeração

CAPÍTULO 62: INTERGALÁTICA FIGURA

I Codificação sobre milhares de pessoas
1. Codificadores de emergência - Consagrador de intergaláctica figura
2. Contrato de inserção luz e órgãos de sensibilização
3. Numeração de inserção unitária e intergaláctica figura numeração imperiosa

II Programa de emergência unitária em três partes
1. Órgão de inserção luz integral - Normalização de mães 3
2. Controle integral
3. Intervenção de conselhos 6 - Reintegração de elementos enquadrados
4. Coordenação de emergência e criação de uma mulher de transferência
5. Qualidade do órgão de inserção luz - Sipar 2 e 3

CAPÍTULO 63: TRANSMUTAÇÃO DE ENERGIA
I Estado de transferência -Centralização unitária
1. Assinatura de emergência sintética - Assinatura de inserção luz terminal
2. Normalização de sistemas de emergência externa - Síntese de mortalização
3. Desprendimento de circuitos de morte - Charuto 3
4. Passar as portas enquanto é tempo - Os romanos -Círculos de interioridade
5. Monoteísmo e princípio de unificação
6. Capitão de nave - Importância do contrato terminal
7. Sistemas imperiosamente assinados e mutações sutis
8. Codificações luz intergaláctica- Imperiosa figura dividida e pré-síntese
9. Configuração de inserção em linha direta - Unificação em presença da intergaláctica figura

II Passagem de uma situação nacional a uma situação internacional
1. Passagem da fronteira eternel - Centralização pela potência seternel
2. Contrato de inserção sumeriana derivada
3. Transformação de Controles e contato com outros potentes

III Campo C 6 e níveis de existência
1. Metralização de um sistema de emissor imperioso
2. Coluna da unidade sintética - Zona C 6
3. Metralizador de potência e torsões de emergência
4. Extensão exterior e qualidade de energia
5. Fronteira eternel luz e contrato de transferência diminutionnel

CAPÍTULO 64: ESCOLHA DE INTERIORIZAÇÃO
I Codificação de inserção longa duração ou grande extensão
1. Longa preparação e seletividade de configurações de inserção
2. Porção de espaço-tempo codadas e círculos do externel
3. Porção 18 - Sinal de intergaláctica em linha direta
4. Risco de derivação em zonas de inferiorização completa
5. Integração de motores de intergaláctica figura e deslocação de figuras não sincronizáveis
6. Deblaterar fora da figura de unidade interna e sortilégios longínquos

II Operações em contato com outros planetas
1. Configurações unitárias e operações em simultaneidade -Reféns
2. Torman 35 - Torman 10, transferência de emergência terminal 18
3. Unificação de integral figura e precisão imperiosa
4. Não jogar perolas aos porcos: transferir sistemas já preparados

CAPÍTULO 65: EXATIDÃO
I Instalação de uma antena de transferência
1. Posição de transferência em permanência
2. Exatidão, consciência e força para construir sua numeração
3. Gestão de diferentes andares 55-56-57-58 e exatidão
4. Circulação energética entre o espirito, a substância e a matéria - Integração na corrente universal

II Processo de mutação e de elevação fora de mundos de condensação
1. Consciência suprapessoal para aproximar a consciência de Deus
2. Mundos de sutilidade e zonas de condensação
3. Sutilização, pressurização, concentração - Tratamento de zonas de condensação demasiada

III Operação de inserção unitária
1. Coordenação de relações consciência-potência
2. Direito de retorno, assinatura consciência-potência
1. Analise de contatos: problema da emergência de potência demasiadamente
4. Utilização da atração gravitacional para penetrar em zonas de inferiorização
5. Delegações do sistema de síntese e necessidade de retorno

CAPÍTULO 66: CODIFICAÇÕES ENERGÉTICAS INTEGRAIS


I Sistema de numeração imperiosa terminal
1. Symponisation - Sistema de inserção luz em zona de força e pré- síntese
2. Assinatura de emergência imperiosa em zona terminal
3. Programa de inserção sumeriana para o externel e o seternel
4. Controle de emergência a partir de forças de internalidade e não mais de externalidade

II Sistema e órgão de integralidade
1. Operação de integralidade: dificuldade de harmonização entre tempos diferentes
2. Acordo de transferência entre os campos espaço-temporais e codificação sintética
3. Coordenação entre os sistemas em mutação rápida e lenta
4. Controle de inserção e círculos 86-87-88, 56-57-58 e 656-657-658
5. Numeração de integralidade e codificação de emergência externa
6. Consubção, compracção e comprexão: três modos de sublimações
7. Assinatura de contratos em cinquenta e seis planetas
8. Sistema de inserção unitária e graduações de numeração
9. Órgão de inserção, controladores e numerador de integralidade
10. Último contrato de terminal - Prótese robótica
11 Busca de sincronização entre sistemas muito diferentes - Próteses robóticas

CAPÍTULO 67: CONTRATO DE INTEGRALIDADE


I Contratos de intergaláctica figura
1. Antena interior e assinatura de emergência em planos intergalácticos
2. Sistemas de integralidade luz sintética e numeração sincronizada
3. Contratos de energia interna e externa -Torsade 800 425, seção 924
4. Assinaturas de emergência paralelas e transferências de síntese
5. Criação de campos numerais

II Numeração de sistemas de integralidade
1. Antena de integralidade e sistema de energia externa
2. Contrato de inserção completa
3. Cadeia de numeração progressiva e conjugação de motores de inserção
4. Instalação de um sistema de sincronização unificável
5. Numerador de integralidade em uma única figura e sintética figura
6. Junção com o superior, campo de numeração externa e delimitação imperiosa
7. Determinar aquilo pelo qual se é responsável, eliminar o que é inútil ou nocivo
8. Construir normalizações de imperiosa figura

III Órgão de integralidade
1. Órgão de integralidade do tipo sintética
2. Reconstrução de emergências e reintegração de sistemas derivados
3. Figura exigente de exatidão e criação de zonas sob controle de numeração

CAPÍTULO 68: CORPO DE FORMA E CONTRATO DE INTEGRALIDADE

I Entre o Céu e a potência
1. Corpo formal, uma dubla origem consciência-potência
2. Redomptação e reinserção unitária
3. Corrente ascensional e descensional -Mestres da unidade fenomenológica
2. Programa completo: Repatriação de exterioridade em torno de um contrato de integralidade
5. Numeração de integralidade -Vigilância de distanciamentos de figuras
6. Bi dimensão e inserção luz multidimensional
7. Método de interiorização e vigilância de riscos de deteriorização externa (deterioração)
8. Reconstrução de assinatura e quíntupla essência
9. Círculos de potência omem 35 e codificação

II Sistema C 6
1. Tensões entre os sistemas de intergaláctica figura e os sistemas eternels
2. Condições de intergaláctica figura -Repatriação de sistemas maduros
3. Fortalecer as codificações de inserção e conservar um estado de equilíbrio interno
4. Criar condições de transformação de codagens maduras
5. Reintegração de seres derivados
6. Integração do contrato 18 e reconstituição dos 56-57-58 em sistema de integralidade

CAPÍTULO 69: CONTRATO DE INTEGRALIZAÇÃO


I Construção da figura de integralidade
1. Andares de transferência ajustados ao ser humano da potência a ciência
2. Andares de controle ao redor do corpo físico e consciência de vigília
3. A alma, uma mulher de energia para o corpo físico
4. Corporeidade, lugar de conjunção entre a ciência e a potência -
Onda portadora e onda moduladora
5. Transmutação energética e contato com a ciência superior
6. Correlação direta entre os sinais de numeração sintética e os circuitos de imperiosa figura
7. Construção de órgãos de intergaláctica figura
8. Comunicação com o sistema sintético unitário e acordos consciência-potência
9. Eixo completo e dorsal de emergência - Conselho 18
10. Órgão de intergaláctica figura e assinatura de inserção luz

II Numeração intergaláctica unitária
1. Círculos de numeração sobre um planeta e assinatura de inserção
2. Numerador espírito yang e envoltório eternel yin
3. Órgão de intergaláctica figura e reféns de numeração
4. Continuidade absoluta entre o espirito e a energia
5. Controle da zona externel e mutação de sistemas seternels

III Programa de integralidade
1. Mestria e travessia de todos os andares
2. Círculos 56 - Normalização de sistemas X 13
3. Operação de integralidade: conservar a integridade de seu sistema unitário
4. Mudar o equilíbrio tempo, espaço e matéria - E = M.C2
5. Viagem do extra-universo ao intra-universo - Exercício de vida

CAPÍTULO 70: SUBLIMAÇÃO

I Operação de emergência sintética e assinatura de transformação
1. Codificação encarnada completa do sistema de emergência luz
2. Normalização de emergência para uma operação de sublimação
3. Contratos de integralidade
4. Fadas 4-8-9 e Or 7, luz de transferência externa
5. Contrato de emergência integral
6. Motor de integralidade, normalizador de inserção e transformação imperiosa

II Contrato de integralidade unitária sintética e sublimica
1. Intervenção do pai da unidade interna sobre as zonas de
dispersão subjacentes
2. Repatriação de assinaturas de transformação unificáveis
3. Inserção luz e reajustamento de sistemas de controle
mecanianos, metalianos, metralianos
4. Penetração do pai criador através da criatura até a criação
5. Transferência de integralidade e configuração de inserção em círculos concêntricos
6. Sistema de sublimação
7. Novo contrato de integralidade e assinatura terminal

Capítulos de 81 a 90

CAPÍTULO 81: TRANSFERÊNCIA SINTÉTICA E INSERÇÃO LUNAR
I Operação de transferência unitária sintética
1. Contato com uma dimensão superior e transferência imediata
2. Transferência interior e contato 10
3. Reinserção do sistema de emergência sincronizada
4. Contratos de insesteur e contrato de inserção lunar
5. Codificação em uma antena de integralidade completa
6. Reajustamento a uma assinatura de emergência sintética
7. Shunt de numeração e contratos de inserção
8. Abrir sua porta de elevação - Nave-mãe orgastam

II Sistemas de inserção lunar
1. Transformação numeral integral
2. Numeração de inserção e representação lunar
3. Numeração de emergência externa ajustada ao numerador de integralidade
4. Bo 85 e motores de matança 85
5. Distribuição de energias sobre uma rede
6. Transformação do numerador de inserção
7. Normalização unitária - Porções de espaço-tempo intermediárias de reajustamento
8. Motores de emergência externel
9. Transformação de éter 4
10. Programas de matança e contrato lunar
11. Intervenções de naves sumerianas e reposição no estado de um planeta


CAPÍTULO 82: CONFIGURAÇÃO DE UNIFICAÇÃO SOBRE UMA ANTENA DE SÍNTESE
I Intervenções em zonas extremas
1. Descida de naves em zonas pesadas
2. Programa de emergência em zona de inferiorização
3. Distribuição de potências não integráveis
4. Codificação de circuitos muito distanciados com mutantes de imperiosa figura já reajustados
1. Órgão de integralidade completo
2. Reajustamento de motores de emergência externa em uma configuração de sumeriana essência
7. Interiorização de sistemas de emergência externa
8. Encarnação de um sistema de numeração em uma antena de transferência sintética
9. Sistema de estrutura épsilon 208
10. Tramas de imperiosa figura pré-programadas
11. Criação de arquiteturas de correlações emergentes

II Condições de transformação imortal e juízo final

CAPÍTULO 83: TRANSFERÊNCIA ATRAVÉS DO TEMPO, DO ESPAÇO E DA MATÉRIA
I Reajustamento de sistemas externos
1. Reajustamento de sistemas de emergência externa não unificados
2. Reajustamento de figuras sumerianamente integráveis
3. Sistemas de centralização exteriores não unificáveis
4. Sistemas de massa e sistemas em emergência interior
5. Iniciação iéros 6

II Reajustamento da matéria a rede da unidade
1. Encontro interior com os circuitos da unidade interna
2. Corpo emergentes e círculos de potência ao futuro
3. Zonas de emergência externa que se deslocam no tempo
4. Elementos para desencadear uma operação de transferência
5. Sistema prasseótico e transformação do plano da forma
6. Transformações atômico-moleculares e travessia da matéria


CAPÍTULO 84: INTERVENÇÃO DA NUMERAÇÃO DE SÍNTESE NOS MUNDOS DA FORMA

I Reajustamento e tratamento de sistemas de imperiosa figura
1. Assinatura de emergência tentacular
2. Codificação unitária sintética
3. Assinatura de sistemas norte-sul
4. Papel do sistema de formalização física
5. Sistemas de emergência imperiosa ajustada, mas não integrável
6. Preparação de controles de energia externa
7. Configuração de numeração sintética - Zonas de paz e de acordo com os deuses

II Destruição de sistemas não integráveis
1. Codificação de sumeriana essência até o plano formal
2. Por que iniciar novos setores do espaço-tempo?
3. Motores de matança 84 e saída de planos de destruição
4. Delimitação cirúrgica de elementos unificáveis

III Reajustamento INICIOm-mulher em uma antena de numeração
1. Intervenção de um INICIOm em numeração de síntese
2. Mutante de unidade interna sobre uma antena de numeração de síntese


CAPÍTULO 85: CONTRATO DA UNIDADE DE SÍNTESE
I Configuração de um sistema de numeração de síntese
1. Transformações a realizar pelo sistema de forma
2. Mutação de inserção de um código da unidade interna
3. Transferência direta sem disseminação exterior
4. Porções de espaço-tempo diferenciais
5. Contrato de retorno acelerado em conexão numeral
6. Processo de inserção em sinal de numeração de síntese
7. Contratado emergente imperioso
8. Operações de emergência externa não ajustáveis
9. Fascinação pelos poderes da emergência externa
10. Porta de um sistema de numeração
11. Assinaturas coordenadas enviadas para o despertar de indivíduos
12. Penetração nos sistemas de imperiosa figura: os zircons
13. Operação de numeração de unidade sintética

II Órgãos de centralização
1. Transformação de assinaturas de sistemas externos
2. Emergência de um mutante de inserção sumeriana
3. Aceleração do campo de energia pelo reagrupamento de indivíduos
4. Formações presidenciais e reuniões de potências
5. Escolha da transferência da unidade interna


CAPÍTULO 86: CODAGENS DE LUZ - MOTORES DE TRANSFERÊNCIA


I Transformação da matéria em um processo de transferência
1. Mutante de inserção unitária e épsilon 208 e 256
2. Transformação numeral de porção de espaço-tempo e processo de numeração de inserção
3. Porções de espaço-tempo sentimentalizadas
4. Antena de emergência imperiosa, perigo de amarra pelas lorses
5. Amarras de processo de transformação não terminados
6. Realização de uma numeração de inserção sumeriana
7. Gordagens lunares e transmissões materiais
8. Transformação numeral substancial em ressonância com a matéria

II Codagens de luz
1. Codagens de luz e motores metalianos
2. Contratos emergentes de tipo potente
3. Dificuldade de enquadramento em transferência em antenas demasiadamente exteriores
4. Reajustamento de assinaturas de emergência sintética
5. Juramento de numeração e transformações mutantes
6. Motores de transferência e parcial de mutante


CAPÍTULO 87: MOTOR DA VIDA

I Programa de transferência da existência humana
1. Programa de transferência e codificações de emergência sintética
2. Obstáculos a ligação a unidade criados por uma educação errônea
3. Codificação em função de condições de existência da forma
4. Sistema de transformação de um corpo formal ajustado
5. Operações de transferência em milhares de anos
6. Codificação no plano de vida e assinatura da rede de energia sintética
7. Domínio de mundos de potência sobre os corpos formais
8. Problema da morte para o motor de vida
9. Viver a totalidade do veículo formal

II Rede de inserção unitária
1. Guarda-costas em antenas de potência
2. Inferiorização de contratos não integráveis em zona de transformação
3. Controle de numerações de exterioridade
4. Transferência de inserção
5. Registro de potências iniciáveis e mitrals imperiosos
6. Amarras de potências e motores de ciência luz


CAPÍTULO 88: OPERAÇÃO DE RETORNO
I Transformação de porção de espaço-tempo
1. Tornar as porções de espaço-tempo integráveis e unificáveis
2. Intervenção sumeriana e codificador de unificação unitária
3. Aperfeiçoamento, transformação, transferização
4. Condições para uma funcionalidade do tipo numeral

II Descida aos infernos
1. Porções de espaço-tempo distanciadas da unidade
2. Zonas infernais
3. Riscos de destruição em zonas de potência subhumanas
4. Ressurgimento de figuras descidas na potência - Sonar
5. Codificação imperiosa de seres em deriva em zonas de potências
6. Zonas de potências não unificáveis e deriva em planos de destruição
7. Transformar-se para tratar os sistemas imperiosos não unificáveis

III Saída dos infernos
1. Mensageiros e sistemas de emergência de retorno
2. Destruição de zonas espaço-temporais duras
3. Sistemas de emergência em zonas muito duras


CAPÍTULO 89: CONTRATO DE NUMERAÇÃO DE SÍNTESE


I Ressonância com o Cruzeiro-do-Sul*
1. Aproximar-se da verdade pela transformação da mundanidade
2. Orientação da criatura pela escolha
3. Poderes sobre a matéria conforme os distanciamentos da unidade de síntese
4. Condições de numeração unificáveis a síntese sumeriana
5. Contrato terminado em zonas de força: ressonância crucial
6. Sistema de ar - Transferência e redes cruciais

II Criação de uma antena de transferização
1. Disjunção entre os sistemas unitários acelerados e imperiosos lentos
2. Motores de imperiosa figura e sincronização sumeriana
3. Delimitação em relação aos sistemas de emergência externa
4. Zona de transferização e de transformação
5. Triagem por pressurização e progressão sobre os campos de condensação

III Profecia de retorno
1. Assinatura de uma codificação de imperiosa figura
2. Tratamento de campos luz de externalidade
3. Ponta de numeração imperiosa e ponta de unificação
4. Travessia do campo de destinos


CAPÍTULO 90: SISTEMA DE CONSCIÊNIA DO SER ENCARNADO

I Mutação do sistema de vida -Veículos do ser
1. Reajustamento de motores de vida a síntese unitária
2. Numeração de inserção unitária e corpo de morte 13
3. Os quatorze veículos do ser formalizado
4. Assinatura de contratado interior
5. Codificação de um sistema de transferência

II Transformação da consciência intermediária
1. Reajustamento graças ao esforço interno da criatura
2. Codificação de imperiosa figura
3. Instalação de um círculo de emissor

III Numeração de inserção unitária
1. Configuração de um numerador de inserção unitária - Lorse 8426
2. Transferência de inserção luz
3. Ritmos de mutação em acordo com o contrato de inserção
4. Instalação de um configurado de emergência sintética
5. Caução de intergaláctica 3
6. Sincronização de sistemas em fato 4
7. Zona do poder sobre o plano dos inferiores

Capítulos de 91 a 100
CAPÍTULO 91 :CONSTITUIÇÃO DE UM ÓRGÃO DE INSERÇÃO
I Encarnação em zonas de beleza, riqueza ou poderes
1. Torsão do corpo de emergência externa
2. Preparação do campo de energia pelos anteriores
3. Mutação começada há milhares de anos
4. Armadilha do poder
5. Transferência realizada em zonas muito difíceis
6. Órgão de imperiosa figura previamente constituído
7. Estilo* de numeração
8. Tornadário 800 426

II Realização de uma configuração de inserção unitária
1. Rebelião no plano de seres intermediários
2. Rebelião e amarra inferior
3. Princípio de uma codificação de inserção unitária
4. Utilização de veículos formais por entidades desencarnadas
5. Controle de sistemas de emergência e normalização
6. Trabalho do sistema de sincronização
7. Coerência de uma central de transferência qualitativa


CAPÍTULO 92: ORIGEM DO CORPO SUBSTANCIAL

I Origem e programa de retorno do corpo de forma
1. Constituição física e energética do corpo a partir da síntese unitária
2. Corpo de energia, veículo interior sutil
3. Gestão do corpo físico considerando o corpo de energia
4. Capacidade de normalização de figuras através do corpo físico
5. Transferência de transmigração
6. Condições para a transformação de um individuo
7. Nozes de diamante, transferência sobre a unidade de síntese
8. Numeração de intergaláctica 3
9. Tubuladura de correlação direta com a numeração de síntese
10. Numeração de inserção unitária nos planetas desconectados
11. Codificação de numeração para preparar suas encarnações futuras
12. Assinar sua transferência antes do fim da existência

II Realização do sistema de transferência
1. Constituição do veículo em função de transferências sobre os sistemas externos ou imperiosos
2. Relação com o sistema de emergência: os sobreviventes adormecidos
3. Zona de labilidade e de escolha na periferia da unidade interna
4. Escolha de um processo de unificação solitário ou coordenado
5. Processo de transformação em um grupo coordenado
6. Importância de um guia de numeração de síntese
7. Transferência em zona de numeração unitária interna
8. Poder de transferência interdimensional
9. Distinguir o que é retorno e o que não é
10. Correlação com uma dimensão unitária interna

III Ação interdimensional do corpo formal
1. Cadeia energética de transferência interdimensional
2. Ação interdimensional de um missionário em vários planetas
3. Utilização inconsciente de indivíduos numa corrente de transferência
4. Sair de zonas não operacionais
5. Supressão do corpo físico
6. Endireitamento de numeração
7. Corpo de interioridade
8. Sistema nervoso da unidade de síntese

IV Tratamento do corpo físico após a morte
1. Enterro do corpo, situação em zona intermediária
2. Dispersão em zonas de exterioridade e destruição pelo fogo
3. Destruição sob controle do corpo formal por um ser realizado
4. Desmaterialização do veículo físico
5. Criação do veículo de luz


CAPÍTULO 93: SISTEMA DE INTEGRALIZAÇÃO Menu
I Contrato de integralização
1. Órgão de inserção unitária e emergência externa
2. Codificação de unidade externa ajustada ao numerador de inserção
3. Criação de um codificador de inserção
4. Sistema de integralização

II Codificação de inserção unitária -Mestria da potência pela consciência
1. Instalação de uma codificação de inserção
2. Maîtreurs de potência e mutantes de imperiosa figura
3. Codificação sobre as antenas de potência
4. Contracte da unidade de síntese
5. Sutilização da energia e aparições luminosas


CAPÍTULO 94: VEÍCULO DE IMORTALIDADE

I Construção do veículo de imortalidade
1. Reajustamento do sistema de inferior
2. Criação de um sistema de energia contiguo ao corpo biológico
3. Construção do sistema de emergência unitária acima do corpo biológico
4. Delimitação do sistema de mutante inferior
5. Assinatura no terminal e construção do veículo emergente imperioso

II Configuração de um sistema de inserção sumeriana completo
1. Reinserções lunares
2. Centralização de círculos de potência
3. Criação de uma rede de inserção sumeriana
4. Círculos de síntese
5. Pré-canalização de circuitos de emergência imperiosa

III Constituição do conselho 18
1. Criação de um conselho da unidade imperiosa
2. Reajustamento de sistemas de imperiosa figura
3. Delimitação de sistemas de emergência imperiosa e inferior
4. Criação de um conselho em zona inferior
5. Repatriação de forças seternelles em sistema qualitativo


CAPÍTULO 95: CAMPO DE TRANSFERÊNCIA SINTÉTICA
I Transferência de síntese e inserção lunar
1. Mutação de sistemas de potência infernal
2. Transferência sintética, concisão no superior, no exterior e no inferior
3. Eliminação de circuitos demasiadamente dispersivos
4. Os justos, sistema de numeração 56-57-58

II Contato com novos campos de potência
1. Controle de um sistema de potência extremamente extenso
2. Campo de transferência em zona emergente externa
3. Inserção de uma transformação de emergência em sistema imperioso
4. Coordenação com o sistema de numeração de síntese e controle externo
5. Controle de circuitos de exteriorização
6. Acesso a reservas de energia condensada em zona seternel
7. Envoltório de energia condensada no inferior do sistema de potência

III Criação de um sistema de numeração externa em torno do numerador de interioridade
1. Incrustação de numeradores em zonas imperiosas
2. Amarra de circuitos inferiores a sistemas exteriores
3. Interiorização de sistemas exteriores
4. Programa de síntese entre os sistemas imperiosos e externos
5. Chegadas de emergências de transferência exterior em um grupo
6. Velhas figuras e mutantes imperiosos
7. Construção do sistema de emissor interno
8. Operações de emergência em transferência de eternel figura
9. Triagem entre circuitos interiorizáveis e sistemas exteriores
10. Criação de zonas de emergência exteriores

IV Aparelho emissor do coração
1. Coração sutil e unificação com a síntese sumeriana
2. Despertar de circuitos integráveis a antena de velhos


CAPÍTULO 96: CONTATO COM A SÍNTESE UNITÁRIA

I Operação de reconexão planetária e código de numeração de síntese
1. Inserção de um sistema de transferência sumeriana
2. Transferência interdimensional completa e problema de desconexão
3. Reajustamento de sistemas de numeração a um sistema de transferência sintética
4. Equilíbrio entre exteriorizações e amarras imperiosas
5. Codagem luz de transferência integrada

II Condições do Contato com a síntese unitária
1. Corpo de numeração e correlação energia-substancia-matéria
2. Deslocamento do contrato de inserção em uma antena de sumeriana essência
3. Definição do numerador de inserção de imperiosa figura
4. Rede de inserção unitária


CAPÍTULO 97: CONFIGURAÇÃO DE INSERÇÃO UNITÁRIA

I Transferência de inserção unitária
1. Reunião de configurações externas dispersadas
2. Tornar seu sistema imperioso integrável
3. Delimitar as porções de espaço-tempo integráveis
4. Transferir os nortes-sul
5. Evitar as dispersões de emergência
6. Aumentar o numerador de inserção unitária para fortalecer seu canal de numeração de síntese
7. Conformar a numeração extrema a numeração de síntese

II Insígnia de transferência iniciática
1. Contrato de inserção unitária e pedido de transferência sintética
2. Elevação e transformação de amarras de emergência imperiosa
3. Liberar-se de amarras de emergência imperioso: o voto de pobreza
4. Centralização do sistema de emergência externa pelo sistema de emergência imperiosa
5. Operação de numeração sintética total - Intervenção de maîtreurs
6. Criação de uma plataforma luz
7. Configuração de imperiosa figura ajustada a uma assinatura de numeração integrada
8. Passagem de uma dimensão nacional a uma dimensão internacional
9. Centro de mutantes imperiosos e configuração norte-sul ajustada a linha de imortalidade
10. Insígnia de transferência iniciática


CAPÍTULO 98: INTERVENÇÃO DA SÍNTESE UNITÁRIA EM ZONA DE DESCONEXÃO
I Vigilância de um planeta pelas outras dimensões
1. Regularização de transferências entre sistemas sutis e condensados
2. Criação de zonas de sutilidade
3. Porção de espaço-tempo sujeitas a exações
4. Reajustamento ao sistema da unidade de síntese
5. Repartições de energias no interior de um grupo coordenado
6. Manter a conexão unitária apesar da desconexão planetária
7. Codificação de sumeriana essência por um esforço de adequação
8. Atravessar a porte estreita entre o externel e o eternel - Orver 626
9. Assinatura de um contrato terminal sobre a antena dos eleitos

II Tratamento de zonas de destruição
1. Ter a mestria no plano de sua própria destruição total
2. Polarização entre transferência imperiosa obscura e sistema superior luminoso
3. Programa de purificação pela destruição
4. Quociente de numeração: equilibrar seu numerador com seu denominador
5. Ressurgir de suas amarras de potências
6. Partida e retorno conservando a aliança com unidade


CAPÍTULO 89: DESMATERIALIZAÇÃO DO CORPO FÍSICO

I Preparação em vista da desmaterialização do corpo físico
1. Direito de transferência do corpo de forma do mortal ao imortal
2. Extrair seu Contrato de imperiosa figura da matéria compacta
3. Motores de emergência externa
4. Sistema de normalização imperioso tipo 8426
5. Numeração de imperiosa figura terminal
6. Contratos de energia 56-57-58
7. Condições de uma transferização interdimensional

II A transcendência, uma ciência interior
1. Constituição de um veículo de numeração de síntese potente
2. Liberação do circuito terminal e rosa de eros
3. Eternização da vida e chave de retorno
4. Órgão de intergaláctica 3 numeral terminal


CAPÍTULO 100: ENCARNAÇÃO EM UM PLANETA DESCONECTADO
I Tratamento de amarras imperiosas não numeráveis
1. Criação de uma numeração de inserção interna
2. Mutação de um círculo da unidade interna e ordenação de corpos de energia externa
3. Por que trabalhar num planeta desconectado?
4. Mutação de um mundo desconectado pela intervenção de indivíduos conectados
5. Assinatura do próprio contrato e triagem de sistemas de numeração

II Configuração consciência-potência em um campo planetário
1. Transformação de redes e gestão de poder
2. Instalação de enquadramentos em uma rede de grande extensão
3. Transformação da matéria rumo ao espirito e de o espirito rumo a matéria
4. Delimitar seu sistema no campo planetário
5. Sistemas de divisão de uma figura demasiadamente pesada
6. Alivio de sistemas de potência dos excessos de condensação
7. Reajustamento imperioso
8. Nova configuração e coerência superior-interior-exterior-inferior

Capítulos de 101 a 110

CAPÍTULO 101: RECONEXÃO IMPERIOSA ATÉ O TERMINAL
I Reconectar sua dimensão de potência a síntese unitária
1. Transformação de energias pelo corpo físico
2. Numeração de inserção unitária para cima através do corpo físico
3. Desconexão entre o sistema de potência e a dimensão superior
4. Organização de uma tubuladura ascensional
5. Ressonância do Pai unitário ou da Mae universal - P 60

II Contato luz em direção do coração terminal da matéria
1. Corrente de inferiorização de potências não unificáveis
2. Transformação de potências pelos sistemas de numeração externa
3. Concretização do sistema luz
4. Eixo de transferência vibral até o coração terminal
5. Criação do órgão de inserção limite
6. Linha sumeriana até o terminal e refém de transferência
7. Cristal de ressonância entre o pai criador e a mãe criadora
8. Limite da centelha criadora do espirito criador
9. Desencadear uma resposta do terminal e repatria-la através do canal de transferência interna
10. Destilação da energia liquida vibral

III Mestria da existência através da consciência mental pessoal
1. Reintegração rumo a uma dimensão superior ou Repatriação em zona de potência
2. Trabalho da consciência mental pessoal
3. Conceber o limite de seu sistema de mestria
4. Contato com os sistemas externels: relações passionais de casais
5. Sistemas A e B, mutantes externos, numeração unitária imperiosa
e potência sublimada
6. Repatriação de circuitos de emergência externa executados
7. Deslocamento de sistemas centralizados por um corpo físico


CAPÍTULO 102: SONHO E CONTATO COM OUTRAS DIMENSÕES
I Reunião de porções de espaço-tempo divididas
1. Operações em paralelo a existência humana
2. Sonho premonitório e consciência de figuras existentes em outros planos
3. Participar de outras dimensões através de níveis de sutilidade
4. Porção de espaço-tempo codificada por uma assinatura de numeração sintética
5. Porções de espaço-tempo divididas não unificáveis

II Criação de um campo unitário
1. Ação espaço-temporal de um sinal transferido para uma unidade recodificada
2. Criação de um campo espaço-temporal a partir do mundo vibral universal
3. Campo experiencial no interior de um espaço seletivo
4. Campo de homogeneidade interna rodeado por um campo experimental
5. Fase de extensão e fase de interiorização
6. Pré homogeneidade de raios de discípulos responsáveis
7. Campo de transferência unitária e transferização
8. Centralização e liberação de campos unitários 1 e 2


CAPÍTULO 103: ELEVAÇÃO EM DIREÇÃO AO INTEMPORAL
I Transformação de sistemas de mutante
1. Sistema de transformador do corpo formal
2. Suscitação de sistemas externos
3. Disparidade de ritmos de evolução segundo o grau de condensação
4. Comunicação entre mundos de níveis vibratórios diferentes
5. Criação de um sistema de transformação escalonado
6. Transformação de sistemas de numeração imperiosa

II Assinatura de transferência completa
1. Linha de comunicação internel-seternel
2. Centralização de emergências eternel e externel
3. Síntese de elementos internesl, eternels, externels e seternels
4. Reintegrar a alma no interior da delimitação substancial
5. Elevação fora de sistemas de compressão e de expansão
6. Linha temporal de comunicação entre o espaço e o intemporal
7. Construir para si mesmo um sustentáculo piramidal de estabilização


CAPÍTULO 104: CONDIÇÕES DE RETORNO A ANTENA DOS CELESTES
I Plano de reajustamento a rede da unidade de síntese
1. Condições de intergaláctica 3 e plano de emergência unitária
2. Programa de numeração sobre um planeta morto
3. Desdobramento para fora do sistema formal e entrada em uma rede de unidade de síntese
4. Transformação do sistema de numeração de síntese
5. Elã de amor místico do tipo luz e devoção
6. Tensões entre a centralização e a extensão vital
7. Tensão entre a numeração de síntese e a emergência externa
8. Juízo final e esforço de retorno
9. Saída de ciclos de renascimento

II Transferência unitária iniciática e inder 4
1. Culpados de destruição, absorção de energias de síntese em zonas de matança
2. Zonas de refundição
3. Transferização unitária iniciática ateos sistemas de potência
4. Tratamento sistemático de figuras não unificáveis
5. Assinatura completa ou execução em zonas exteriores e inferiores
6. Professores do mundo da forma e emergência parcial não sintética
7. Trapaça de sistemas eternels e externels deconectados
8. Transferência de inder 4 e delimitação do sistema de poder
9. Tornar-se um celeste, um sacerdote da unidade


CAPÍTULO 105: FRUTO DA ÁRVORE DA VIDA Menu
I Quintessênciação sintética do livro da vida
1. Insígnia da antena interior
2. Colher o fruto da árvore da vida
3. Sistema fusique: fusão do físico nos mundos sutis

II Assinatura de síntese criador, criatura, criação
1. Polarização da criatura entre o criador e a criação
2. Contato com um mestre da unidade de síntese
3. Ser encarnado, cruzamento de síntese criador-criatura-criação
4. Aproximação consciente da fonte-centro intra-universal
5. O INICIOm, um templo gerido pela consciência
6. Contato permanente com a exatidão interior e desejo de retorno
7. Irmã e pai


CAPÍTULO 106: CAMARA DE TRANSFERÊNCIA INTERDIMENSIONAL


I Travessia da fronteira de desconexão
1. Quitus energético do corpo de vida
2. Configuração de relação entre a cabeça e o corpo
3. Utilidade do denso: um sistema de controle para preservar o sutil
4. Instalação de um filtro no meio da fronteira de desconexão
5. Passagem de energias sutis gasosas acima da fronteira
6. Negociação com os sistemas de controle de emergência externa e os surveyors planetários

II Criação de uma câmara de transferência interdimensional
1. Relação a Terra, acesa pelo fogo central
2. Chegada de almas que vem fazer uma passagem pela escola da Terra
3. O corpo físico: um sistema Terra-humanidade a transmutar
4. Respeito da dupla corrente cósmica ascendente e descendente
5. Tornar-se um ponto de referência de circuitos sutis
6. Zona de filtragem e de oposição, como manter uma fronteira de desconexão
7. Reforçar as correntes de reinserção unitária -Dar suporte aos circuitos sutis
8. Contato direto entre a consciência mortal e imortal e transubstanciação


CAPÍTULO 107: ALIANÇA COM O IMORTAL

I Reunião de uma configuração de unidade de síntese
1. Ressonância com a unidade através do universo e da multiplicidade
2. Tratamento de contratos de energia externa sob forma quintessênciada
3. Perigo de dispersão em configurações extensas demais
4. Transformação da energia de síntese nos sistemas de exterioridade
5. Reunião sobre uma antena mais sutil e unitária
6. Tratamento de porções de espaço-tempo ajustadas a zonas pesadas
7. Tendification, tensão rumo a unificação
8. Conselho X 13
9. Problema de transferência de corpos de emergência externa Raça de luz
10. Contrato completo e miniaturização de programas
11. Tentação de sistemas luz ainda imaturos
12. Atar ao menos quarto-quintos de suas codificações a unidade de síntese

II Realização de sistemas experimentais nos mundos da forma
1. Necessidade de tratar o mundo experimental sem desloca-lo
2. Experiência-teste e prototipo de transferência
3. Utilidade de um sistema de estudo experimental

III Operação de numeração de inserção unitária
1. Reajustamento de figuras cada vez mais imperiosas
2. Necessidade de exatidão, sem o que há risco de desvio através de corpos de energia externa
3. Contato do ser com seu sistema de numeração imperiosa
4. Tratamento de sistemas originais do ser - Nurene 3


CAPÍTULO 108: CONFIGURAÇÃO DE UNIDADE DE SÍNTESE
I Reunião de sistemas de energia externas
1. Acordo com o instante, um tempo interior - Codagem de retorno
2. Designador de transferência externa e Controle de energia
3. Organizar a sequência de seu sistema de transferência
4. Desvios e inversões nos campos quantitativos
5. Assinatura de sumeriana essência e transferência de inserção unitária

II Recapitulação de numerações imperiosas e frutificação
1. Sonhos, correlações com potências longínquas
2. Rede de numeração emergente e reajustamentos imperiosos
3. Materialização-desmaterialização: a matéria energética
4. Proteção da criança interior
5. Transferência de potência por estruturas sociais pesadas
6. Integrar seu sinal numa dimensão de numeração de síntese
7. Utilização completa do corpo físico
8. Fazer frutificar seu talento para o plano dos deuses


CAPÍTULO 109: PLANO DE TRANSFERÊNCIA DO CORPO FÍSICO

I Tratamento do corpo formal após a morte
1. Numerações inferiores em função do tipo de morte formal
2. Enterro ou cremação do veículo físico
3. Repatriação do sistema externo após o falecimento
4. Importância do meio ambiente no momento do falecimento
5. Escolha de um sistema de transferência apropriado
6. Resorpção* de sistemas externos e reintegração de sistemas imperiosos
7. Contato com o campo de transicionais e transubstanciação

II Sobrevivência fora dos planos de figura inferior
1. Inserção no sistema da unidade de intergaláctica 3
2. Necessidade de ter construído uma sumeriana essência no interior


CAPÍTULO 110: SISTEMA DE NUMERAÇÃO EXTREMA Menu
I Unificação de figuras inseridas em programas diferentes
1. Coordenação e reinserção parcial de sistemas de potência
2. Programa de transferência a altura de codificações aplicadas
3. Filtragem de sistemas distantes a repatriar
4. Controle de sistemas ejaculatórios dispersivos
5. Realização de um conselho unitário
6. Anti polarização de assinaturas de energia extremo

II Transformações luz de sistemas imperiosos
1. Necessidade de uma seleção prévia de emergências externas
2. Dissolução de energias imperiosas em um sistema externo de energia do tipo feminino
3. Transferência do sistema externel ao sistema eternel
4. Transformação da treva em luz e depois em verbo
5. Passagem da linha imperiosa através do externel, do eternel rumo a sumeriana essência

Capítulos de 111 a 120

CAPÍTULO 111: CONTRATO DE ENERGIA EXTREMA
I Operação de redução do sistema imperioso
1. Contratos de energia externa e numerações imperiosas
2. Reajustamento do sistema de energia externa e imperioso
3. Sinal de transferência sintética
4. Criação do sistema emergente externo e imperioso
5. Contrato de energia imperioso em antenas de numeração extremas
6. Rede de energia extrema e rede de energia sintética

II Tratamento de configurações subjacentes ao sistema imperioso
1. Contratos de energia imperiosa em transferência sintética
2. Realização de contratos de numeração unitária
3. Transformação de porções de espaço-tempo normalizáveis
4. Mudança de uma codificação de numeração imperiosa
5. Repatriação de sistemas de emergência extrema no eixo de numeração imperiosa

CAPÍTULO 112: OPERAÇÃO DE NUMERAÇÃO EMERGENTE EXTERNA
I Transferência emanente
1. Instalação de sistemas de transferência exteriores em uma figura em funcionamento
2. Intervenção de motores X 13
3. Fenômeno de transferência emanente
4. Transferência unitária intergaláctica e aparições de luzes
5. Criação de linhas de numeração emanentes

II Criação de uma configuração de inserção unitária
1. Coordenação unitária e codificação numeral sumeriana permanente
2. Transformação progressiva de seres coordenados
3. Estabilização dos elementos mecanianos, metalianos e metralianos
4. Extensão do sistema de energia externa unitariamente ajustado
5. Necessidade de exteriorização para o tratamento de sistemas extensos
6. Distanciamento e reequilíbrio de numerações externas
7. Dupla polarização dos numeradores de emergência externa
8. Deixar um ensinamento como assinatura de centralização
9. Definição de um campo limite para cada individuo
10. Mestria pela vida, o amor e a consciência

III Mortais energético-sutis
1. Ocupar-se de circuitos invisíveis ao mesmo tempo que do formal
2. Perigo de absorção de figuras pelas potências imperiosas
3. Informação e ordenação dos mortais energético-sutis
4. Porção de espaço-tempo de anulação
5. Passagem do formal ao sutil - Relação conforme o peso e a medida
6. Acordo entre os circuitos sutis e os circuitos formais


CAPÍTULO 113: ASSINATURA DE INSERÇÃO E TRANSFERÊNCIAS EXTREMAS
I Realização de um contrato de imperiosa figura para além do sistema substancial
1. Transferências externas e imperiosas ajustadas ao sistema de numeração interna
2. Transferências de tipo duros
3. Coordenadores de potência sob o sistema substancial
4. Computadores e sistemas mecanianos educáveis pelos sistemas sumerianos
5. Utilização de um computador em plage memorial
6. Conjunção sumeriana direta
7. Reunir sua configuração de encarnação: aperfeiçoamento e miniaturização
8. Sistema de educação que permite precisar a característica de cada ser

II Configuração de energia extrema
1. Constituição do corpo exterior e tratamento intermediário
2. Intervenção do sistema de transferência sintética* luz em zona extrema
3. Codificação da unidade de síntese - A fé


CAPÍTULO 114: TRANSFERÊNCIA INTERDIMENSIONAL Menu

I Equilíbrio entre o sistema de emergência externa e de numeração imperiosa
1. Constituição do corpo formal a partir de outras dimensões
2. Reunião de uma configuração de emergência externa
3. Repatriação completa em direção da numeração unitária interna
4. Contrato de emergência externa a altura do sistema imperioso
5. Criação do P 4, sistema de numeração imperiosa comum
6. Tensões de emergência externa

II Contrato de numeração de síntese em vários andares
1. Destruição de sistemas não ajustáveis e P 4 número dois
2. Zona 2: novo sistema de numeração externa centralizado por um novo sistema de numeração imperiosa
3. Ligação entre os sistemas número um e número dois
4. Contraída figura realizando o P 4 número dois
5. Conformidade da zona 2 com o sistema de numeração unitária de zona 1
6. Contrato de numeração de síntese nova formula e coordenação de andar em andar


CAPÍTULO 115: REINTEGRAÇÃO DO SISTEMA TERMINAL
I Tratamento de sistemas externos e extremos
1. Organização da transferência de elementos externos e inferiores
2. Dificuldade de tratamento de motores extremos
3. Deterioração do sistema terminal, deriva e desconexão
4. Anti polarização entre diversos sistemas de emergência externa
5. Controladora figura e sistema de numeração de síntese

II Trabalho em acordo com o sistema de numeração de síntese
1. Criação do numerador de integração
2. Descompressão de sistemas de imperiosa figura
3. Controle de energia extrema e numerador de síntese conjugada
4. Conjugação de sistemas mecanianos, metalianos e metralianos
5. Sinal de numeração imperiosa terminal
6. Sistema de emergência extremo ajustado ao sistema de numeração de
sumeriana essência

III Codificação entre o extra-universo e o intra-universo
1. Contratos de numeração
2. Transferização interdimensional de numeradores de unidade interna coordenados
3. Mudança de codificação entre o extra-universo e o intra-universo
4. Liberação de sistemas sumerianos fora de mundos condensados
5. Transferência de numeração unitária interna
6. Travessia do circuito de síntese até o intra-universo
7. Viagem do filho pródigo
8. Necessidade de seguir a inspiração de dimensões superiores
9. Unificação em um sistema matricial de Repatriação a uma outra dimensão
10. Perfeição do intra-universo - Tornar-se um filho do criador intra-universal


CAPÍTULO 116: MESTRIA DO SISTEMA DE POTÊNCIA

I Dupla corrente: derivação de sistemas pesados e registro de sistemas unitários
1. Transmutação quotidiana de figuras inferiores que retém o ser humano
2. Reféns de potência
3. Ser substituído nos planos de potência

II Codificação unitária sintética em zonas imperiosas
1. "Aleluia": fazer passar as figuras da treva em luz
2. Sistemas filosóficos e mentais que não tratam as potências
3. Delimitação de sistemas de potência
4. Intervenção através de códigos de transferência externas
ajustadas a unidade interna
5. Utilizar sua raiz para se desenvolver sobre uma outra dimensão
6. Mestria da delimitação completa do sistema imperioso


CAPÍTULO 117: TRATAMENTO DE POTÊNCIAS NÃO NUMERADAS

I Tratamento de potências não numeradas
1. Numeração de sistemas exteriores e sistemas imperiosos distantes
2. Tratado de luz e tratado exterior
3. Contato com o corpo de energia extrema* - Torsões de energia e
transferências em clash *
4. Deslocamento de sistemas de emergência extrema em uma condição de transferência interior
5. Transformação de sistemas de imperiosa figura
6. Intervenção de sistemas X 13 e miniaturização: princípio de transistores

II Destruir sua morte: mestria da condensação no coração da matéria
1. Decisão de matar sua própria morte
2. Negação da negatividade pela negatividade: princípio da bomba atômica
3. Se liberar de tudo o que não é ajustável
4. Repatriação do contrato de emergência extrema - Tratamento da matéria pela matéria
5. Mestria das tensões explosivas através da polarização potência-matéria


CAPÍTULO 118: MATÉRIA E ANTI-MATÉRIA
I Os numerados: sistemas em contrabalança entre a matéria e a antimatéria
1. Contratos de unidade de síntese em contrabalança entre a matéria e a antimatéria
2. Codificação unitária sintética em contrato de numeração permanente
3. Configuração de imperiosa figura ajustada a uma assinatura de contrato entre a matéria
e a antimatéria
4. Contrabalança diante do infinito entre as redes materiais e anti materiais
5. Intervenções vindas de outros mundos

II Aproximar a matéria da antimatéria
1. Aproximação de um circuito extremo de síntese ligado ao numerador de imperiosa figura
2. Organizar encontros entre a matéria e a antimatéria
3. Polarização pela contribuição de um sistema ber, borda do universo
4. Passagem de um sistema planetário a um sistema universal
5. Equilíbrio entre a estrutura e a energia no sistema material e no sistema anti material

CAPÍTULO 119: OPERAÇÃO DE SINCRONIZAÇÃO UNITÁRIA

I Tratamento de contratos de energia extrema
1. Acordo entre os sistemas extremos e os sistemas externos
2. Numeração em zonas X 13 e circuitos metralianos
3. Normalização de sistemas externos

II Possibilidade de distinção entre os sistemas numeráveis e não numeráveis
1. Numerador extremo ajustado ao circuito de sumeriana essência
2. Pseudoverdades de zonas intermediárias e contrato de numeração unitária interna
3. Figura contraída* muito potente e percepção de tramas do intra-universo
4. Culpados derivados reconectados

CAPÍTULO 120: NUMERAÇÃO EXTREMA E PORÇÃO X 13
I Numerações extremas e Repatriação de porção X 13 numeráveis
1. Numerações de exterioridade e sistemas extremos
2. Porção de espaço-tempo tratada por uma unidade de síntese unitária
3. Tratamento de novas porções de espaço-tempo descobertas em zonas mais longínquas
4. Centralização de uma parte da assinatura de imperiosa figura sobre sistemas de potência não humanos
5. Configuração executora e extração de porções X 13 numeradas

II Sistemas X 13
1. Contrato luz e pré síntese pelos motores X 13
2. Porções de espaço-tempo não numeradas sem controles de energia externa
3. Vigilância de continuidade sobre vários planos
4. Delegação de circuitos X 13 para compensar a disjunção em zonas exteriores
5. Intervenção direta de conselhos da unidade em caso de indisponibilidade de sistemas X 13
6. Deslocamento de pessoas de uma zona para uma outra

III Contraída figura
1. Desaparecimento de figuras não suficientemente preparadas
2. Explosão provocada pela divisão de sistemas extremos
3. Campo áurico, acúmulo de figuras em curso de reinserção
4. Continuidade energética que permite os deslocamentos de um lugar a outro
5. Contraída figura, zona de implosão de sistemas comprimidos

Capítulos de 121 a 130

CAPÍTULO 121: DIMENSÃO DE SUTILIDADE

I Transformação de porções de espaço-tempo não numeráveis
1. Tratamento de motores de extremidade por ressonância interna
2. Criaturas situadas pelo criador para cultivar porções de espaço-tempo muito potentes
3. Numeração de circuitos assinados a partir de um sistema operacional
4. Circuitos emergindo acima da fronteira com o impulso de sistemas de potência em transformação
5. Rede 6 e relações yin-yang
6. Desaparecimento de sistemas X 13 devido a amarras muito difíceis
7. Sistemas de potência não numeráveis e intervenção norte-sul
8. Aparição de circuitos extraterrestres que são os X 13 do planeta

II Tratamento de sistemas imperiosos por uma dimensão de sutilidade
1. Relações de polarização seternel-externel e eternel-internel
2. Codificações sutis em plano luz e transformações de potência
3. Condições de mutação de um sistema extenso em uma dimensão fina e qualitativa
4. Tratamento da bola energética criada pelos sistemas não numeráveis
5. Deslocamento de circuitos não numeráveis rumo a zonas de sutilidade
6. Zonas de codificação trabalhando em períodos muito longos
7. Redes extremas de evolução lenta

CAPÍTULO 122: REAJUSTAMENTO DE SISTEMAS EXTREMOS A REDEUNITÁRIA
I Código de transferência e unidade de síntese
1. Importância do corpo exterior para a instalação de um contrato de unidade de síntese
2. Sistema codificado intergaláctico
3. 3. Configuração unitária soldada a uma assinatura da unidade de síntese e partida para o
4. exterior de sistemas externos numerados
4. Numeração de sistemas extremos por meios luz
5. Divisão de potências não numeráveis e sistema de pressurização
6. Integração por intermediários mecanianos, metalianos e metralianos

II Numeração do terminal acima da fronteira
1. Anti polarização de sistemas de potência e tratamento do terminal
2. Deslocamento de motores da unidade de síntese sobre a assinatura
de numeração imperiosa
3. Assinatura de um código da unidade de imperiosa figura
4. Controladora figura sobre sistemas longínquos
5. Instalação de um norte-sul e numeração de imperiosa figura
6. Redes da unidade e círculos de potência
7. Órgão unitário assinado

CAPÍTULO 123: NUMERAÇÃO ULTÍMICA Menu

I Numeração ultímica
1. Organização de zonas extremas em sistema centralizador
2. Soldar redes de energia extrema em antenas unitárias
3. Numeração de limite e codificação sobre os ultimes

II Educação de tipo infraluminica ou instrução verdadeira
1. Defasagem entre educação e iniciação
2. Informações infraluminicas
3. Equilíbrio entre a iniciação superior e a educação exterior
4. Respeito de etapas naturais do desenvolvimento do ser
5. Da astúcia à inteligência e à consciência: o caminho de retorno

CAPÍTULO 124: ANCIÃO X 13 Menu

I Ancião X 13
1. Controle de numeração unitária e intervenção do Ancião X 13
2. Numeração de inserção luz
3. Código de transferência 66 656

II Numeração unitária em transferência direta
1. Distribuição de sistemas não numeráveis em zonas distantes graças as redes X 13
2. Normalização de motores de transferência
3. Assinatura de intergaláctica 3 numa dorsal de potência
4. Registro de circuitos extremamente longínquos sobre uma assinatura de energia extrema
5. Assinaturas intermediárias em situação de transferência potencial
6. Tradutores de imperiosa figura e transductores de potência
7. Contato com as substancias imperiosas e extensão da numeração extrema
8. Criação de uma numeração unitária interna até a numeração imperiosa
9. Reajustamento da transferência imperiosa em sistemas de energia externa tratadas por sistemas X


CAPÍTULO 125: REPATRIAÇÃO DE SISTEMAS EXTREMOS Menu

I Reajustamento por sistemas luzes e sistemas extremos
1. Ponte entre a numeração unitária interna e o plano externo
2. Reinserção de sistemas de luz desviados nos sistemas imperiosos
3. Transformação de controles de numeração extrema
4. Deriva externa e Repatriação em uma assinatura luz unitária
5. Reajustamento de sistemas externos as numerações internas
6. Assinatura da unidade em zona extrema
7. Intervenção de motores X 13 e codificação luz

II Assinatura de celebridade
1. Deslocamento imediato de figuras de potência em direção do campo luz da celebridade
2. Risco de explosão por exteriorização em um campo demasiadamente extenso
3. Solduras de transferência luz e risco de perda de figuras unitárias
4. Deslocamento do controle externo
5. Reajustamento direto de mestres da emergência externa e trança de energia

CAPÍTULO 126: CIÊNCIA LUZ

I Campo de consciência luz
1. Criação de configurações extremas para o tratamento de potências pesadas
2. Sistema de consciência luz e sistemas X 13
3. Circuito de concretização englobando um sistema luz
4. Numeração de inserção de tipo emergente externa e campo de consciência luz
5. Motores X 13 linhas em uma soldagem contatada e contrabalança em antenas externas

II Destino do ser e síntese temporal
1. Assinatura de um contrato da unidade interna no interior do campo luz
2. Assinatura sutil ascensional elevada acima do tempo
3. Síntese temporal e centralização do futuro
4. Redução do campo do destino do ser
5. Reajustamento do ser a sua linha futura interdimensional
6. Aceleração artificial de certos seres de um grupo
7. Projeção em seu futuro e reincrustação no seu destino temporal
8. Velocidade e evolução - Síntese temporal
9. Ultrapassagem da encarnação e conjunção com a rede unitária

CAPÍTULO 127: INTELIGÊNCIA DA MÃO

I Comunicação entre o visível e o invisível
1. Continuidade entre a criação da mão e a interioridade do artista
2. Magia de uma obra de arte
3. Forças luz e criação sutil pela conjunção energia-forma - Poder de reinserção

II A mão, uma ferramenta interdimensional
1. Exercício das mãos para a reunificação do ser
2. Controle e reinserção de assinaturas de potência rumo a dimensões superiores
3. Comunicação da mão com os corpos luz e aparições no céu
4. Realização interdimensional da mão e criação nos planos sutis
5. Deslocamento de objetos a distância- Transmutação da matéria

CAPÍTULO 128: FENÔMENOS PARAPSICOLÓGIOS
I Fenômenos parapsicológicos
1. Criação de uma rede atraída por um fenômeno estranho
2. Contratos de potência com sistemas energéticos
3. Condições de inserção no plano formal ou luz
4. Formas energéticas e formas imperiosas
5. Mutação da matéria em liquido depois em energia
6. Milagre, transferência de potência em plano de síntese

II Fantasma e comunicação temporal
1. Fantasma, circuito de transferência interdimensional
2. Defasagem temporal entre a forma e a consciência-energia
CAPÍTULO 129: CORPO LUZ

I Corpo luz e unificação
1. Luz lunar e corpo da unidade
2. Desaparecer em direção a permanência
3. Código luz e reinserção de potências
4. A mente: consciência lunar, obstáculo a ressonância unitária
5. Unificação de sistemas de potência e círculos de vida
6. Franja energética e linha de numeração
7. A criança interior, risco de dispersão em zona pesada

II Corpo de potência e redes
1. Intervenção do corpo da unidade em um planeta longínquo
2. Aumento da corda luz
3. Eutético metraliano
4. Operação de ressonância interior
5. Redes ajustadas a um veículo formal
6. Mutantes de emergência externa e mutantes de imperiosa figura
7. Corkanes

CAPÍTULO 130: TRATAMENTO DE POTÊNCIAS LONGÍNGUAS E EXATIDÃO
Menu
I Conquistar sua clareza
1. Precisar sua consciência e simplificar sua potência
2. Ter mestria de seu poder
3. Contatada figura: conjunção entre o sutil, a luz e a consciência
4. Deixar as potências demasiadamente pesadas se destruírem

II Reajustamento de potências longínquas
1. Utilização de um sistema inconsciente para tratar uma potência muito inferior
2. Sacrifícios e porções pesadas
3. Urkanes
4. Reinserir sua consciência em uma única assinatura
5. Viver o contrato da unidade
6. Trazer seu corpo em transferência interna para a unidade

Capítulos de 131 A 144

CAPÍTULO 131: CAMPO LUZ E REDE DE SÍNTESE
I Campo luz e sistema de transferência
1. Aumento de sistemas de numeração externa em acordo com o sistema de transferência
2. Organização do sistema de transferência e extensão externa
3. Informações vindas de planos luz e de planos imperiosos

II Redes da síntese sumeriana
1. Construção do corpo de sumeriana essência
2. Sumerianização do corpo de numeração interna e percepção da continuidade
3. Mutação do circuito luz
4. Perigo de deriva de corpos de numeração luz
5. Encontrar a dimensão de numeração unitária interna
6. Trabalhar sobre os mutantes de imperiosa figura para entrar no corpo da unidade
7. Ousar enfrentar o monstro para encontrar o anjo*

CAPÍTULO 132: NUMERAÇÃO DE INSERÇÃO INTEGRADA
I Numerologia: arquiteturas de controles
1. Numeração de inserção integrada e codificação de normalização
2. Transferização integrada no sistema de numeração imperiosa e criação da numeração imperiosa
3. Emissor de emergência imperiosa e assinatura com redes lunares
4. Redes de emergência externa e sistema de frenagem
5. Numeração de imperiosa figura e potência emergente inferne
6. Bolhas numéricas: arquiteturas transitórias de controle e reserva de transferização

II Instalação de um numerador de inserção sobre uma figura formal
1. Sistema de cálice, de emergência externa centralizado e sincronização inferior
2. Órgão de inserção unitária: a linguagem do tantrismo hindu
3. Veículo formal e dimensão de síntese
4. Sistema de transferência unitária direta no seio de um cálice yin yang

III Transformação de sistemas de potência extensos
1. Funcionalidade energética de um sistema de INICIOm ou de mulher
2. Características yin ou yang de motores de energia interna e homossexuais
3. Nivere, P 60 e sistemas extremamente extensos

CAPÍTULO 133: TRANSFERÊNCIA LUZ E CORPO DE RETORNO Menu
I Operação de transferência luz
1. Novas potências sobre o planeta Terra e perturbações meteorológicas
2. Assinatura do corpo de transferência e desaparecimentos externos de circuitos não numeráveis
3. Intervenção de sistemas de luz sobre os corpos substanciais
4. Reconcentração de sistemas de síntese num computador
5. Zircão e corpo de luz
6. Matéria, energia e consciência
7. Configuração de despertar iniciático
8. Corpo de retorno

II A felicidade, um estado de transferência
1. Elevação de potências e aceleração de destruições
2. Definir uma zona de proteção energética para os sistemas de transferência
3. A felicidade, condição - colocar à distância sistemas pesados
4. Repartir as porções pesadas e se liberar de zonas heterogêneas
5. Transferência, o alcance de planos de felicidade para além de amarras pesadas

CAPÍTULO 134: ZONAS EXTREMAS
I Zonas extremas e potências pesadas integráveis
1. Deslocamento do ser do interior para o exterior e nova situação de transferência
2. Criação de um limite em torno da assinatura interior
3. Instalação de um programa que permita tratar a amarra as potências pesadas
4. Perigo de se aproximar de numerações extremas
5. Instalação do enquadramento de transferência ao redor do numerador interno
6. Amarra de uma nova seteira de potência
7. Controle e sincronização
8. Sistemas substancianos, mecanianos, metalianos, metralianos coordenados no planeta
9. Sistema explosivo e redes de sincronização
10. Integrar os levantamentos em um campo de energia global
11. Criação de um sistema deslocável para registrar as potências pesadas integráveis

II Condições de reinserção de potências pesadas
1. Reunião de sistemas exteriores em correlação com os sistemas inferiores
2- Junção entre a consciência do ser, sua potência e a unidade interna
3. Impulso de sistemas de potência - Recuperar os corpos de numeração extrema sob
a forma de mutantes
4. Criação da condição de reinserção
5. Repatriação de numerações extremas para contrabalançar um sistema pesado
6. Necessidade de se elevar para ser habitado por circuitos superiores

III Corpo de luz e sistemas extremos
1. Amarra de porções pesadas em um sistema de numeração extrema
2. Arrimo do corpo de potência, corpos fumegantes e início da refundição
3. Matérias de transferência cortadas de zonas imperiosas
4. Desaparecimento de figuras executadas pelo corpo da unidade

CAPÍTULO 135: CONTRATO DE RETORNO
I Transformação de potências e corpo de retorno
1. Potente, potência ajustada a um consciente
2. Intervenção em planos paralelos
3. Condições de entrada em um circuito de transferência
4. Transformação de potências por sistemas paralelos a forma física
3. Intervenção do corpo de retorno sobre os motores de potência
4. Corpo de retorno: corpo substancial impregnado pelo circuito luz e centralizando todos os destinos do ser
5. Transformação de porções pesadas e realização do mutante
6. Quintessênciação de elementos substancianos, mecanianos, metalianos e metralianos: realização da pedra filosofal
9. Criação de uma situação de levitação

II Constituição do corpo de retorno
1. Substância de retorno: sutilização do corpo que pode receber as sementes da consciência
2. Trazer a matéria a um equilíbrio exato com a energia e a consciência
3. Quintessênciar a matéria para fazer o cristal suporte de sua potência - Sinal de retorno
4. Contrato de retorno: reunir a totalidade de sua figura sem disparidade
5. Saber escolher o que sutiliza e facilitar o retorno


CAPÍTULO 136: CRISTAL DE RETORNO

I Condições de inscrição do corpo de retorno
1. Cotage de potência: tratamento do sistema de potência ajustado ao circuito de retorno
2. Integração de sistemas de potência em corpos substanciais
3. Corpo de retorno: permeável acima, impermeável abaixo
4. Circulação e fluidez da energia
5. Instalação em um sistema tapado em cima e investido embaixo
6. Sair de uma situação de refém e se inscrever em um corpo de retorno

II Doze raios força e cristal de retorno
1. Dificuldade de intervenção sobre outros veículos para faze-los evoluir
2. Reunião de pais espirituais na direção daquele que criou uma situação de reconexão
3. Figura de anti polarização do P 4 com o B 4

Capítulo 137: AMARRAS DE INFERIORIZAÇÃO


1. Por que os circuitos de numeração se desenvolvem sobre certos seres
e não se desenvolvem sobre outros?
- Dificuldades de numeração sobre um planeta não conectado
- Deslocamento espacial para se liberar de amarras demasiado pesadas
- Operações de transferência sobre a zona externa
- Perigo de deriva e de exteriorização completa
- Deixar os sistemas extremos a uma certa distância eternel
- Cadeias de luz e dispersadores de energia
- Estar presente onde se encontra a assinatura da unidade.

Capítulo 138: Ancestral Unitário
Capítulo 139: Processo de Retorno
Capítulo 140: Contrato de Transferência Sintética
Capítulo 141: Simultaneidade e Hipersíntese
Capítulo 142: Programa de Transcendência
Capítulo 143: Numeração da Simultaneidade
Capítulo 144: Aderir à Atemporalidade

Consulte o site
UnitaryScience